Viagens com crianças: Calábria

Viagens com crianças por Priscilla N. Zezze

A “baixa” popularidade da Calábria para o turismo é um pouco injusta. A região tem belíssimas praias, cultura e gastronomia fartas. De fato, é uma região economicamente menos favorecida na Itália e existe até um certo preconceito dos próprios italianos mas, para nós, brasileiros, encontrei uma região linda a ser explorada.

De qualquer forma, fomos bem recebidos e pudemos desfrutar muito dessa região.

Chegamos lá de carro, vindos do estreito de Messina (saímos de Taormina), mas existem voos regulares para o aeroporto Lamezia Terme (40km) que é o mais próximo para se chegar a cidade de Tropea, onde nos hospedamos.

Tropea vista do mar
Foto: Priscilla N. Zezze

O mar da Calabria é realmente lindo e existem MUITAS praias para banho. Um pouco diferente dos litorais mais badalados, não encontramos muitas opções de beach clubs, mas sempre há um restaurante charmoso para sentar e apreciar seu Aperol Spritz! 😉

*O que fazer?

Santa Maria Dell’Isola

A principal atração de Tropea tem a vista mais incrível e imperdível da cidade. A igreja que fica no alto de uma montanha foi renovada após o terremoto de 1905, que separou a montanha onde ela fica do continente, mas é acessada facilmente por escadarias que levam ao topo da montanha.

Santa Maria Dell’Isola
Foto: Priscilla N. Zezze

Tropea vista da igreja
Foto: Priscilla N. Zezze

Os Bronzes de Riace – Museu Nacional de Régio de Calábria 

Alugamos um carro (no próprio hotel!) e fomos até Régio Calábria, que fica a 112 km, para conhecer os tão famosos Bronzes de Riace. E digo que vale muito a visita!

Os Bronzes de Riace são estátuas imponentes que podem ser tanto de origem grega, quanto magno-grega ou siceliota. Foram criadas provavelmente no século 5 a.C. e depois reencontradas no início dos anos 70 (mais precisamente no ano de 1972), no mar de de Riace (município da província de Régio de Calábria); a partir daí as duas estátuas entraram para a lista das maiores obras-primas esculturais da era grega.

Bronzes de Riace
Foto: Reprodução

Por que os bronzes de Riace são tão especiais assim?

Esta singularidade é devido ao fato de que são pouquíssimas no mundo as estátuas gregas de bronze, ainda mais intactas até os dias de hoje. Podemos contar nos dedos de uma mão! Entre todas, essas duas são as mais belas.

Cidade de Pizzo – onde nasceu o Tartufo

No mesmo dia que fomos até Regio Calabria para ver os Bronzes de Riace, aproveitamos a paramos na cidade de Pizzo para saborear um delicioso Tartufo, na sua cidade de origem!

Pizzo
Foto: Priscilla N. Zezze

O Tartufo é uma sobremesa geralmente composta de dois ou mais sabores de sorvete, muitas vezes com xarope de frutas ou frutas congeladas – normalmente framboesa, morango ou cereja – no miolo.

 

Fomos na Gelateria Artigianale Bar Dante, criado por Dante Veronelli em 1940.

Praias 

Decidimos explorar algumas praias mais afastadas, então ficamos mais um dia com o carro e fomos ate a praia de Grotticelle em Capo Vaticano. A praia é linda, mas não espere aquele superserviço de praia. Lá é mais “roots”.

Capo Vaticano
Foto: Priscilla N. Zezze

Paramos também na Spiaggia di Riaci em Ricadi. Nela encontramos um restaurante bem agradável do OldWell Hotel para tomar um drink e apreciar o visual.

*Onde ficar?

Um ponto importante a se destacar é que não existem hotéis de grandes redes conhecidas ou hotéis independentes luxuosos em Tropea.

Optamos por um hotel estilo pousadinha, simples, chamado Rocca Della Sena. Apesar de não ser sofisticado, tem um café da manhã delicioso, serviço superatencioso e acesso à praia. Um ponto alto é que podíamos ir a pé ao centrinho de Tropea, o que sempre facilita pois estávamos sem carro.

Hotel Rocca Della Sena
Foto: Divulgação

Fale conosco para organizar a sua viagem:

[email protected]

Priscilla é administradora, casada, com 12 anos de experiência no mercado financeiro. Hoje está dedicada aos seus 2 filhos pequenos e resgatou no seu tempo livre uma de suas maiores paixões que é organizar, planejar e, por que não, viajar mais? Na dificuldade de ter informações sobre roteiros “não convencionais” para levar as crianças, encontrou uma oportunidade de pesquisar e escrever sobre suas próprias experiências e compartilhá-las aqui no Magari Blu.