Tour Bahia: Mangue Seco e Boipeba

Tendências em viagens por Rogéria Pinheiro

O mestre Dorival Caymi uma vez me perguntou: “Você já foi à Bahia, nêga? Não? Então, vá!” E eu fui!

Fui e me apaixonei de tal maneira que a Bahia se tornou meu destino preferido no Brasil. Das tantas vezes que estive por lá, uma delas em especial me marcou muito. Nunca havia experimentado uma viagem pelo Brasil com um roteiro organizado por um operador especializado, até que conheci a Cultour e vivi uma experiência inesperada, que agora divido com vocês.

O roteiro eleito foi Mangue Seco e Boipeba, dois extremos da Bahia, principalmente no quesito belezas naturais. São ecossistemas completamente diferentes e é difícil dizer qual é o mais belo.

Mangue Seco

Mangue Seco
Foto: Divulgação/Cultour

MANGUE SECO

Saímos de Salvador de carro em uma viagem de 3 horas pela Linha Verde, a primeira estrada ecológica do Brasil, com destino a Mangue Seco. Isso mesmo, a terra de Tieta do Agreste, famosa personagem de Jorge Amado! Mangue Seco é a última praia no extremo norte do litoral baiano e faz fronteira com Sergipe.

Mangue Seco

Mangue Seco
Foto: Divulgação/Cultour

O vilarejo, localizado entre a foz do rio Real, o mar e grandiosas dunas de areia branca, é de um charme sem igual. As ruas são todas de areia e, no centro, uma enorme árvore, quase como uma guardiã, empresta sua sombra para os tranquilos moradores e visitantes.

Lá tudo é calmaria, o tempo parece ter parado e isso nos convida a desconectar da loucura do nosso mundo para apreciar momentos de paz e conhecer histórias da gente local.

Mangue Seco

Mangue Seco
Foto: Divulgação/Cultour

Mas nem tudo é tranquilidade em Mangue Seco. Quem busca adrenalina também encontra, já que o mar é agitado o suficiente para atrair surfistas e os passeios de buggy pelas dunas garantem diversão e emoção. O passeio que fizemos terminou ao cair do sol, um espetáculo que assistimos do alto da duna com uma vista linda para o rio Real. Lá estava nos esperando um ambiente super agradável, com esteiras, almofadas coloridas e, é claro, caipirinhas preparadas na hora pela equipe.

Mangue Seco

Pitstop para…
Foto: Divulgação/Cultour

Mangue Seco

… caipirinhas!
Foto: Divulgação/Cultour

No dia seguinte, outra surpresa. O passeio de barco (a escuna Graziela), numa típica embarcação baiana toda de madeira com 12 metros de extensão. Navegamos pelo silencioso mangue do rio Real até encontrar o mar e chegar na Ilha da Sogra, um banco de areia que divide o rio e o mar e que emerge poucas horas por dia durante a maré baixa.

Selvagem e praticamente privativa, na ilha os momentos são de puro relaxamento, sempre regados a deliciosos drinks e petiscos. Durante o passeio, um leve almoço preparado pelo chef a bordo foi servido ao som de um saxofonista que nos encantou com sua arte.

Mangue Seco

Almoço em Mangue Seco
Foto: Divulgação/Cultour

Mangue Seco

A Rogéria curtindo o pôr do sol em Mangue Seco
Foto: Rogéria Pinheiro

BOIPEBA

De Mangue Seco seguimos para Boipeba, via Salvador. A maneira mais rápida e confortável de se chegar à ilha é via táxi aéreo, em apenas 30 minutos. Vizinha da badalada Morro de São Paulo, a ilha preserva a calmaria de uma pacata vila de pescadores e é um convite ao descanso. Reconhecida pela UNESCO como Reserva da Biosfera e Patrimônio da Humanidade, Boipeba está no Arquipélago de Tinhare na Costa do Dendê, ao sul de Salvador.

Boipeba

Boipeba
Foto: Divulgação/Cultour

Tudo na ilha permanece autêntico. As praias selvagens, os ecossistemas de Mata Atlântica e de manguezal e, como não podia ser diferente, a hospitaleira e genuína população indígena.

Boipeba é cheia de peculiaridades. A primeira delas é que não entram carros na ilha e as opções são caminhar ou andar de trator. Nós chegamos de barco e o pessoal da Cultour estava a postos com carrinhos de mão para levar as bagagens até a Pousada das Mangabeiras. Essa recepção e a caminhada até a pousada já nos colocou no clima da ilha.

Por do Sol em Boipeba by Rogeria

Pôr do sol em Boipeba
Foto: Rogéria Pinheiro

Pousada Mangabeiras

Pousada das Mangabeiras
Foto: Rogéria Pinheiro

Totalmente diferente de Mangue Seco, Boipeba é mais agitada! O centro histórico mantém um charme rústico e muito autêntico e é repleto de restaurantes charmosos, pousadas, animados “forrós” e gente do mundo inteiro que escolhe Boipeba para suas férias.

Uma atividade imperdível é, de novo, o passeio de barco. Primeiro chegamos às piscinas naturais de Moreré e Castelhanos para mergulhar na barreira de coral belíssima e depois seguimos à Coroa Grande, outro banco de areia, só que no meio do oceano. Lá tivemos outra surpresa! Peixes e frutos do mar fresquíssimos são servidos em um maravilhoso e agradável almoço.

Boipeba

Boipeba
Foto: Divulgação/Cultour

Entre um mergulho e outro, deliciosos drinks de frutas tropicais são especialmente preparados e durante o retorno a Boipeba, um belo pôr do sol para fechar o dia com chave de ouro.

Para os amantes das caminhadas, a dica é explorar a pé as praias de Tacimirim, Cueiras e Moreré. Em Moreré há um típico vilarejo de pescadores e algumas barracas onde servem a famosa moqueca de camarões e bananas, verdadeiro manjar dos deuses! E essa pode ser a sua chance de se arriscar nos tais tratores e voltar a Boipeba Velha utilizando esse peculiar meio de transporte.

Boipeba

Boipeba
Foto: Divulgação/Cultour

São 20km de praias semi-desertas, areias brancas e águas serenas… A Ilha de Boipeba realmente encanta e o intenso contato com a natureza proporciona uma sensação de plenitude e entrega total.

*Quando ir?

Os meses de maio e junho são os mais chuvosos com temperaturas mínimas de cerca de 22 graus e, no resto do ano, os dias são ensolarados com temperaturas entre 25 e 30 graus.

*Formada em turismo, Rogéria Pinheiro é apaixonada por viagens e pela arte de fazer sonhos. Ao longo de 15 anos construiu uma sólida carreira no mercado de viagens de alto padrão e visitou destinos incríveis. Hoje atua com a sua consultoria especializada junto às mais sofisticadas agências e operadoras de viagens do Brasil. No Magari blu, apresenta aos leitores as tendências em viagens e o que está na moda pelo mundo do turismo.