Rush Rome

A hora do rush em Roma não me impressiona tanto assim. Apesar de a cidade ter fama de ter um trânsito caótico, milhares de carros, ser o inferno na terra… Eu acho que quem disse isso nunca foi para São Paulo num dia de chuva.

O que me assusta – e quando eu digo assusta, é de susto mesmo – não é a quantidade de carros nem a lentidão do tráfego. São as manobras radicais.

A cidade é lotada de ruazinhas que mal cabem duas pessoas passando lado a lado. E quando você vê tem um carro quase te atropelando passando pelo vicolo, sem arranhar o espelhinho e sem tirar um pedaço do seu pé. Como eles conseguem? E como não se perdem nos labirintos da cidade?

E os motorinos então? As Vespas. São demais! São milhares e milhares. Se os carros passam pelos becos, imaginem só as Vespas. Uma motoca em Roma é um ser onipresente, está sempre em todos os lugares. Todos! Não me surpreenderia se eu abrisse a porta do meu prédio e me deparasse com uma no hall de entrada.

Motoquinha pelas ruas de Roma
Foto: magari blu

 

As motocas ultrapassam pela esquerda, pela direita, por cima, por baixo… Quando se anda a pé é necessário ficar atento para não ter o seu passeio arrematado por um atropelamento. E, se dirigir então, muito cuidado para não ser você o autor do acidente.

Mesmo assim considero as motos o melhor meio de transporte por aqui. Isso porque, além da burlada que conseguem dar no trânsito, e além das ruazinhas que elas conseguem se enfiar, contornam também um outro problema de Roma: a falta de estacionamento.

Estacionamento em Roma é um ser em extinção. Acho que só vi uns 2. E na rua, como já se pode imaginar, é dificílimo arranjar um lugarzinho para deixar o veículo. Valet?

Não chegou ainda essa espécie aqui na terra da bota.

Daí a popularidade dos mini cars! O sotaque italiano pronunciando “mini caaarrre” é incrível. Os minis vêm em vários modelos… O Mini Cooper, o Smart, os carrinhos sem marca, os elétricos. Eles estacionam de ladinho! Eu acho isso fantástico!

De ladinho…
Foto: magari blu

 

Simples assim.
Foto: magari blu

 

Em cima da calçada
Foto: magari blu

 

Junto com as motocas na praça
Foto: magari blu

 

De ladinho e na ruazinha micro e estreita ainda por cima!
Foto: magari blu

 

E tem até mini car menor que Vespa!
Foto: magari blu

 

Para completar, por último mas não menos importante, é o papel do motorista romano.

Além das manobras, há ainda todo o trabalho verbal que as acompanham. E como soltam o verbo! Andar em um carro com um motorista local é emoção garantida e vários palavrões novos para aprender. Muita “parolaccia”!

Eu pensei em ter um motorino, depois um mini car. Mas por enquanto não tive coragem ainda de adquirir nenhum deles porque, apesar de achá-los o máximo, sou muito distraída e não me sinto preparada para abandonar meu busão (nem os taxistas) e encarar o rali romano. Imagina eu admirando as árvores ao longo do Rio Tevere que começaram a florescer e bum! Melhor não arriscar…

Como se vê, até o trânsito faz dessa cidade algo especial. God bless the GPS! E o capacete!