Passeios pelo norte e pelo centro da Córsega

Dicas da Redação por Sara Meirinho

Nosso tour pela Córsega começou pela área da Balagne, no norte da ilha, que contempla cidades como Calvi, Ile Rousse, Pigna, Corbara, Calenzana e alguns outros vilarejos menores. Para explorar a região, usamos a cidade de Calvi como base.

Captura de Tela 2015-11-13 às 5.08.43 PM

CALVI

A história de dominação e disputa entre genoveses e franceses foi responsável pela construção de muitas fortalezas ao longo de toda a Córsega. Fortalezas estas que são verdadeiros museus a céu aberto e que guardam muitas histórias sobre os costumes e as crenças dos corsos. A cidade antiga de Calvi, chamada de La Citadelle, é um exemplo desse tipo de construção.

Calvi Foto: Divulgação

Calvi e sua Citadelle
Foto: Reprodução

Para desbravar a cidadela, o escritório de turismo de Calvi disponibiliza áudio guias para aluguel com o custo de 7 euros. Ouvir sobre a história daquele lugar faz toda a diferença para entender um pouco o sobre as dominações que a cidade viveu.

Torre genovesa Foto: Luiz Fernandes

Torre genovesa que prevenia o ataque de piratas
Foto: Luiz Fernandes

Visite a Catedral de St. John the Baptist e o mirante que oferece uma vista panorâmica da cidade. Na cidadela estão também as ruínas da casa de Cristovão Colombo, que teria nascido ali.

Na parte baixa da cidade está a marina. De junho a setembro a orla fica cheia de turistas circulando e passeando entre lojinhas e restaurantes.

Marina em Calvi Foto: Sara Meirinho

Marina em Calvi
Foto: Sara Meirinho

No verão partem da marina excursões para a Reserva de Scandolla, Girolata e Revellata.

Reserva de Scandola Foto: Reprodução

Reserva de Scandola
Foto: Reprodução

ILE ROUSSE

Distante 25 km de Calvi, está Ile Rousse, que recebeu esse nome devido ao pórfiro, um tipo de rocha avermelhada que compõe o seu solo.

No centrinho da cidade acontece um mercado de rua que vende produtos locais, como o famoso mel da Córsega, embutidos, queijos, geleias e frutas, como a clementine, que lembra uma tangerina. A feira acontece todos os dias com algumas bancas mas no verão chega a ter mais de 30 diferentes produtores locais na feira.

Mercado local em Ile Rousse Foto: Luiz Fernandes

Mercado local em Ile Rousse
Foto: Luiz Fernandes

Clementines, as tangerinas da Córsega Foto: Sara Meirinho

Clementines, as tangerinas da Córsega
Foto: Sara Meirinho

Também no centrinho da Ile Rousse, fica a casa de biscoitos artesanais Salvatori. Ela está há 40 anos naquele local e usa o forno que antigamente era usado por toda a vila para assar pães e peixes. Prove os deliciosos canistrelli e o touterllini.

Biscoitos artesanais Salvatori Foto: Sara Meirinho

Biscoitos artesanais Salvatori
Foto: Sara Meirinho

Visite ainda a ilhota de La Pietra.

La Pietra Foto: Sara Meirinho

La Pietra
Foto: Sara Meirinho

A praia de Ile Rousse é uma boa opção se você quer aproveitar praias de águas claras e calmas sem precisar pegar muita estrada.

Praia em Ile Rousse Foto: Reprodução

Praia em Ile Rousse
Foto: Reprodução

Na alta temporada funciona um trem que liga Calvi a Ile Rousse em 40 minutos e tem uma vista panorâmica do trajeto.

Tire uma tarde para percorrer a Rota dos Artesãos (Route des Artisans), também conhecida como Rota Belvedere. Nessa estrada estão vários vilarejos pitorescos como Pigna, Corbara, Cateri e Calenzana. Alugue um carro e vá sem pressa para apreciar as paisagens encantadoras e o charme de cada uma delas.

Vilarejos na Rota dos Artesãos Foto: Reprodução

Vilarejos na Rota dos Artesãos
Foto: Reprodução

Os corsos são muitos ligados a sua tradição e as suas origens. Nas férias, quem mora na costa ou fora da Córsega sempre volta para suas casas secundárias que ficam nos vilajeros das montanhas. Fora da temporada, essas vilas ficam vazias.

PIGNA

Em Pigna, deixe o carro no estacionamento logo na entrada e desvende as suas ruelas de pedras a pé. Como o nome da rota sugere, no vilarejo há muitos artesãos. Aqui destaca-se a produção artesanal de caixinhas de música e de cerâmica.

Fábrica artesanal de cerâmica no vilarejo de Pigna Foto: Sara Meirinho

Fábrica artesanal de cerâmica no vilarejo de Pigna
Foto: Sara Meirinho

Na cidade pude ouvir os cantos polifônicos, uma das maiores representações da cultura da Córsega. Os cantos são passados oralmente de geração para geração. É muito comum ouvi-los nas igrejas, não pelo cunho religioso mas, sim, devido à acústica do lugar. Alguns até são integrados à prática religiosa mas há também canções de ninar, cantigas de roda e até cantos profanos.

CALENZANA

Por conta das belas paisagens naturais, a Córsega também é muito apreciada para atividades como o turismo de trilha, o hikking. No vilarejo de Calenzana, começa a trilha GR20, que tem 163 km e corta toda a ilha. Algumas pessoas levam até 3 semanas para percorrê-la.

Uma curiosidade dessa rota são as muitas janelas e portas em tons de azuis que compõe o cenário. Elas não estão ali à toa – servem para espantar mosquitos.

Vilarejo de Pigna Foto: Sara Meirinho

Vilarejo de Pigna
Foto: Sara Meirinho

*Onde comer?

Durante a visita pelas vilas históricas da rota, uma ótima parada para o almoço é na vila Cateri, onde está o restaurante Chez Leon.

Ele serve a comida típica da Córsega, à base de muita carne de caça, massas, castanhas e queijo. O restaurante utiliza vegetais cultivados na propriedade e se valem de receitas tradicionais da família do proprietário.

Entrada no Chez Leon Foto: Sara Meirinho

Entrada no Chez Leon
Foto: Sara Meirinho

A vista panorâmica completa a experiência.

Restaurante Chez Leon Foto: Divulgação

Restaurante Chez Leon
Foto: Divulgação

Não deixe de provar algum prato com o queijo Brocciu, feito do soro do leite de cabra e de ovelha, que sobra da fabricação de outros queijos. Ele está bem presente na gastronomia dessa região da ilha.

Onde encontrar:
Chez Leon
www.hotel-corse-usandume.com/restaurant-chez-leon.html
Tel.: 04 95 61 73 95

*Vinícolas

Perto de Calvi há 5 vinícolas: Domaine de Culombu, Clos Reginu e Prove, Clos Landry, Domaine D’Alzipratu e Domaine Renucci. Mas se o intuito é explorar a enocultura, a Região de Patrimonio, mais próxima à cidade de Bastia é considerada a melhor opção. Os vinhos produzidos por lá são apreciados em toda a ilha.

O meu vinho preferido da viagem era da região de Patrimonio Foto: Sara Meirinho

O meu vinho preferido da viagem era da região de Patrimonio
Foto: Sara Meirinho

Entre Calvi e Bastia, além das vinícolas Patrimonio, estão também as praias: Plage du Lotu e Plage de Saleccia.

Plage du Lotu Foto: Reprodução

Plage du Lotu
Foto: Reprodução

A Plage du Lotu e a Plage de Saleccia são acessíveis de barco, a partir da cidade de St Florent, que está a 25 km de Bastia e a 45 km de Ile Rousse. O trajeto de barco custa cerca de 30 euros por pessoa e saem a cada 30 minutos na alta temporada, a partir Saint Florent. Você pode escolher o barco de volta de acordo com os horários pré-estabelecidos. Há também algumas opções de barco saindo de Ile Rousse para essas praias, que estão na região do deserto de Agriates.

PIANA

No oeste da ilha, entre Calvi e Ajaccio, no Golfo do Porto, está a cidade de Piana.

Captura de Tela 2015-11-13 às 5.11.45 PM

A estrada sinuosa da região passa por formações geológicas singulares, chamadas de Calanches, que tem o formato de um vale profundo e têm, inclusive, partes submersas.

Estrada em meio as Calanches de Piana Foto: Reprodução

Estrada em meio as Calanches de Piana
Foto: Reprodução

Calanches de Piana Foto: Reprodução

Calanches de Piana
Foto: Reprodução

Caso decida ir para o sul da ilha beirando a costa, não deixe de explorar essa região – outra paisagem única da Córsega.

CORTE

Nosso tour seguiu pelo centro da ilha, onde está Corte. Na cidade está localizada a única universidade da ilha. Nela está também a única cidadela fortificada longe do litoral, que infelizmente não está aberta a visitação.

Fortaleza em Corte, no centro da ilha Foto: Sara Meirinho

Fortaleza em Corte
Foto: Sara Meirinho

Outono chegando em Corte Foto: Sara Meirinho

Outono chegando em Corte
Foto: Sara Meirinho

Por toda a parte de Corte há referência a Pascoal Paoli, que liberou a Córsega do domínio genovês. Na cidade há também outra personalidade – foi nela que nasceu o irmão de Napoleão, Jose Bonaparte. A casa onde a família morou ainda está lá.

Na cidade está a loja mais antiga da Córsega, que chama-se A Casa Curtinese. Nela vende-se produtos típicos da ilha como geleias, vinhos, charcutaria e o famoso mel da região.

A Casa Curtinese, loja mais antiga da Córsega Foto: Sara Meirinho

A Casa Curtinese, loja mais antiga da Córsega
Foto: Sara Meirinho

Produtos típicos da região Foto: Sara Meirinho

Produtos típicos da região
Foto: Sara Meirinho

Em toda a ilha encontramos muitos produtos à base da castanha (conhecida localmente como châtaigne), inclusive a cerveja típica da Córsega – a Pietra. Até a alimentação dos porcos é de castanhas, o que proporciona um sabor incrível aos presuntos, lombos e salames da ilha.

É possível fazer um tour com um pequeno trem que circula pelas ruelas da cidade antiga de Corte. Ideal se você estiver viajando com crianças. Custa 7 euros para adultos e 3 euros para crianças.

Tour em trem na cidade de Corte Foto: Sara Meirinho

Tour em trem na cidade de Corte
Foto: Sara Meirinho

A parte mais moderna de Corte é animada e cheia de lojas e restaurantes, além de ser uma graça com suas ruas estreitas entre as montanhas.

Parte "moderna" de Corte Foto: Sara Meirinho

Parte “moderna” de Corte
Foto: Sara Meirinho

Na próxima semana as dicas do sul da Córsega – Porto Vecchio, Bonifacio e Ajaccio.

LEIA MAIS:

DICAS DA CÓRSEGA

Sonhadora, viajante, apaixonada pela vida. Sara Meirinho é assistente de redação do Magari blu, consultora de viagens e exploradora em tempo integral. Acredita que os maiores erros que podemos cometer na vida são levar, na bagagem, roupas demais e sonhos de menos.