O tour para seguir os passos de Nelson Mandela

Viagens pela África por Fernanda Fleury

A África do Sul está de luto. Há duas semanas, o país e o mundo perderam um dos símbolos mais importantes de nossa história: Nelson Rolihlahla Mandela, ou apenas Tata Madiba, como era carinhosamente chamados pelos sul-africanos.

Como moro atualmente em Johannesburgo, viver esse momento por aqui e poder ver de perto toda a comoção do país, especialmente dos negros, foi algo emocionante. Mandela é uma lição de vida, um exemplo a ser seguido e uma perda imensurável.

O ativista lutou incansavelmente pelo fim da descriminação racial, o apartheid, até ser preso em 1962 por 37 anos. Foi solto em 1990 e, em 1994, tornou-se o primeiro negro a ser presidente do país. Considerado o mais importante líder da África Negra, era ícone da paz e ganhou o prêmio Nobel.

Quem vier visitar a África do Sul, não deixe de conhecer um pouco mais sobre o legado e a história dessa pessoa incrível e admirada pelo mundo.

Sugiro três lugares importantes que explicam um pouco mais sobre a vida de Mandela e sobre o fim do apartheid.

– Robben Island (Cape Town)

Foi em Robben Island que Mandela passou grande parte dos seus dias de confinamento. Ficou preso por 18 anos na ilha em uma cela de apenas 2,4 metros. Classificado como um dos prisioneiros mais perigosos, muitas vezes ficou em solitárias e não tinha direito a visitas. Apenas uma carta a cada seis meses.

Mandela preso em Robben Island
Foto: Reprodução

O museu na antiga prisão de Robben Island
Foto: Reprodução

A cadeia em Robben Island tornou-se um museu e existem tours que saem que Cape Town até a ilha. Os ferries saem às 9h, 13h e 15h, diariamente, do Waterfront. Adultos param 250 rands (aproximadamente R$ 62,00) e crianças 150 rands (aproximadamente R$ 30,00). O passeio, contando desde o momento de sua partida até o retorno para o Waterfront, leva aproximadamente 3 horas. A visita inclui um tour guiado pela prisão de segurança máxima e museu. Além do passeio de barco em si, que passa pela Table Bay. Um lugar cheio de história e que vale a pena a visita.

Robben Island
Foto: Reprodução

– Apartheid Museum (Johannesburgo)

Quem quer entender mais sobre o apartheid não pode deixar de visitar o Apartheid Museum. A história da época chega a impressionar logo na entrada do museu, onde, simbolicamente, os visitantes são separados entre brancos e negros. Diversas frases de Mandela, um pouco de sua história e a opressão sofrida pelos negros estão expostas nesse museu bastante moderno e interessante.

O Apartheid Museum fica aberto de terça a domingo, das 9h às 17h. Adultos pagam 65 rands (aproximadamente R$ 16,00) e crianças 50 rands (aproximadamente R$ 12,00). Visitas guiadas também são oferecidas e custam adicionalmente por pessoa aproximadamente R$ 2,00 (a reserva deve ser feita com antecedência). O tour completo dura cerca de 2 horas.

Apartheid Museum
Foto: Reprodução

“Não brancos” e “Brancos” no Apartheid Museum
Foto: Reprodução

– Tour de bicicleta pelo Soweto

O Soweto é uma das favelas mais conhecidas do mundo e foi lá onde Mandela passou muitos anos de sua vida, junto com a maioria dos negros, afastados do centro de Johannesburgo e concentrados em guetos.

Uma forma divertida de conhecer o lugar é fazer o tour de bicicleta. Algumas companhias oferecem passeios de 2 e 4 horas ou o dia todo. Durante o passeio, você irá visitar a casa onde Mandela viveu e alguns outros lugares importantes da comunidade.

Para quem curte uma aventura, não deixe de pular de bungee jump nas duas torres de resfriamento de uma usina desativada, a Orlando Towers. Além do bungee jump, dá para se aventurar no pêndulo ou na queda livre (segurado por uma cama elástica). Aberto somente às sextas, aos sábados e domingos, os ingressos custam a partir de R$ 70,00. Definitivamente uma forma emocionante de curtir o Soweto.

Orlando Towers no Soweto
Foto: Reprodução

Além desses três pontos históricos, nesses últimos dias, no feriado da reconciliação, Pretória ergueu uma estátua de Nelson Mandela, feita de bronze, com 9 metros de altura. Para os amantes da política, uma visita até Pretória pode ser bastante interessante.

*Fernanda Fleury é publicitária e em 2012 mudou-se para Joanesburgo na África do Sul. Desde então, tem mergulhado na cultura e nos destinos maravilhosos no continente africano. Em sua coluna, divide com os leitores as suas viagens e dicas, desde os roteiros mais tradicionais aos passeios exóticos e inusitados pelos vários países da África.