O que você precisa saber sobre Tailândia

04/01/2018

Confira 10 dicas para planejar sua viagem para a Tailândia:

1- Qual a melhor época pra ir?

Depende do seu roteiro. Se quiser incluir as praias da costa oeste, como Koh Phi Phi e Phuket, evite a época de monções, as fortes chuvas que vão de abril a setembro.

Já se for visitar o outro lado da costa tailandesa, na região de Koh Samui, o período de chuva é exatamente invertido.

2- Qual a documentação necessária?

Não é necessário visto para entrada de brasileiros na Tailândia mas precisa do certificado internacional da vacina contra a febre amarela. Ao desembarcar, procure um balcão identificado como Health Control, preencha o formulário disponibilizado e apresente-se ali mesmo com passaporte e certificado internacional da vacina da febre amarela em mãos. Você só será aceito na imigração com o papel da imigração carimbado pelo Health Control. Portanto, economize tempo e já providencie o bendito carimbo antes de pegar a fila da imigração.

3- Dá para pegar táxi e tuk tuk em Bangkok?

Dá, via de regra não é perigoso. Táxis são baratos em Bangkok mas se você quiser curtir um trajeto (ou vários) de tuk tuk, pode ir sem medo. É divertido e rápido. Apenas combine o preço antes com o motorista da motinho.

Procure sempre carregar um cartão do hotel escrito em tailandês e tenha certeza que o motorista, seja do táxi ou do tuk tuk, entendeu bem onde você quer ir. Eles não falam bem inglês.

4- Dá para pegar metrô e trem em Bangkok?

Sim! O metrô em Bangkok é limpo, seguro e fácil. Considerando que a cidade tem muito trânsito, vale a pena escolher um hotel com metrô próximo e fazer alguns dos trajetos por debaixo da terra no metrô MRT ou por cima da terra no Skytrain BTS. Você economizará tempo e dinheiro.

5- Como é a comida tailandesa?

A comida tailandesa é apimentada. Muitos menus têm até uma graduação de quão “spicy” é cada prato (uma, duas, três pimentinhas). Se você não gostar muito do tempero, é bom avisar e pedir uma sugestão mais suave ao garçom. Uma colherada de arroz também ajuda a “apagar o fogo”.

E se vir, pela rua, um carrinho de food truck vendendo bambus assados, pode parar para provar! É um doce típico da Tailândia e, dentro do bambu, tem o famoso sticky rice – o arroz pegajoso -, com açúcar e leite de coco. É bem gostoso. come-se com a mão mesmo o arroz dentro do bambu. Aproveite para provar também, quando encontrar, um abacaxizinho pequenininho. É muito doce!

6- Como é a religião na Tailândia?

O budismo é a religião mais praticada na Tailândia. A visita aos templos é quase que obrigatória quando estiver por lá. E, por mais que sejam (muito) lotados de turistas, não podemos nos esquecer que são locais sagrados, de oração, e que merecem nosso respeito. Nada de roupas curtas acima do joelho (para mulheres e homens) e nem ombros de fora. Ao entrar em cada templo, tire os sapatos, óculos escuros e chapéu ou boné. Vale a pena pensar nisso quando estiver arrumando a mala e se preparando no dia do passeio, inclusive usar um sapato confortável e fácil de pôr e tirar. Se você não gosta de andar descalço por aí, use uma meia e está tudo certo!

Em alguns templos menos cheios, é possível sentar-se e contemplar a imagem do Buda, as flores que a enfeitam e, se der sorte, os monges vestidos de laranja ecoando cânticos ou em meio à alguma cerimônia especial. Você é convidado a assistir, mas lembre-se: permaneça em silêncio e sente-se com perna de índio (a posição de lótus), ou sobre as pernas. Não estique as pernas, apontando os pés para o Buda ou para outras pessoas, pois é visto como falta de respeito.

7- Como é feito o deslocamento interno no país?

Normalmente de avião. As companhias locais como a Bangkok Airways e a Thai são ok. Fique de olho só na franquia de bagagem, que geralmente é 1 peça de 20kg por passageiro. Uma boa dica é se cadastrar no programa de milhagem da companhia pois você pode ter um upgrade na franquia, podendo levar mais kg na mala.

8- As praias são mesmo paradisíacas?

Sim, são, mas as mais conhecidas de desertas não têm nada. Não fique frustrado se dividir a área com uma muvuca sem fim, e nem se assuste se a galera não estiver curtindo a praia, deitados tomando sol ou nadando no mar. Muitos turistas vão conhecer as ilhas só pra dizer que foram, dar o check na lista, e ficam andando na praia como se estivessem vendo vitrine num shopping. Até que é engraçado.

E as paisagens são muito lindas mesmo, com gente ou sem gente vale a pena conhecer! Quem procura algo mais sossegado, alugue um barco privativo e peça ao marinheiro para levar você às praias mais desertas.

9- Dá pra se virar sozinho?

Depende do quão descolado você é. Tem muito mochileiro na Tailândia, mas se você não está muito no clima de passar perrengue, contratar uma agência para organizar os detalhes da viagem é interessante. O idioma é muito diferente, a cultura também, então ter um guia acompanhando enriquece a viagem e facilita a vida.

10- E a massagem tailandesa, é mesmo isso tudo?

As pessoas me perguntam sempre sobre a massagem na Tailândia. E realmente é uma técnica diferenciada. Além, claro, dos spas sofisticados nos hotéis, tem um montão de casas de massagem pelas ruas, que são super baratas, e uma delícia!

A Indochina combina muito bem, como Vietnam, Cambodia e Laos. São países que têm suas similaridades mas, por outro lado, são diferentes entre si e fazem uma viagem bem rica.

Fale conosco:

[email protected] 

Ana Maria Junqueira é a idealizadora do blog Magari Blu e fundadora da premiada agência de viagens Magari Blu Viagens. Escreve sobre viagens, faz a curadoria de todo o conteúdo que você vê por aqui e organiza roteiros personalizados e reservas.