O que fazer em São Petersburgo

Durante o cruzeiro Regent Seven Seas pelos países bálticos, fizemos diversas paradas maravilhosas. São Petersburgo foi uma delas – e agora você confere as dicas de passeios pela linda cidade!

São Petersburgo, cidade com o maior porto do Báltico, foi originalmente concebida pelo imperador Pedro, o Grande e, por isso, é toda planejada. Hoje abriga 5 milhões de habitantes, sendo a segunda maior cidade do país.

Dizem que “São Petersburgo é europeia demais para ser russa. E russa demais para ser europeia”. A verdade é que é uma perfeita combinação entre ocidente e oriente. É tida como a Veneza do norte, em razão dos charmosos canais e pontes, além de 47 ilhas.

SP DSCN1572

São Petersburgo
Foto: magari blu

Confira dicas úteis e passeios imperdíveis em São Petersburgo:

*Brasileiros precisam de visto para ir à Rússia?

Não. Desde 2008, os brasileiros têm isenção de visto para visitar a Rússia e podem circular livremente pelo país por até 90 dias.

*Quando ir?

A melhor época para se visitar a Rússia é o verão. São apenas 40 dias de sol por ano em São Petersburgo e eu tive a sorte de aproveitar 3 dias ensolarados e quentes no início do mês de agosto.

SP DSCN1674

As fontes ligadas no verão em Peterhof
Foto: magari blu

*Quantos dias ficar?

São Petersburgo é linda, mas tão linda, que nos deixa de queixo caído. E a quantidade de museus, palácios e passeios para se fazer é ilimitada! Por isso, a primeira dica que posso dar é passar pelo menos 3 noites na cidade para poder explorá-la sem pressa, assim como os palácios nos arredores.

SP DSCN1734

Arco que dá na Palace Square em São Petersburgo
Foto: magari blu

*Locomovendo-se em São Petersburgo

A maioria das pessoas não fala inglês, portanto recomendo que peça táxis sempre em locais de confiança, como hotéis e restaurantes, para que combinem com o motorista o seu destino final. Eu não me arrisquei no metrô, em razão da língua.

SP DSCN1728

Palace Square. Ao fundo, o Museu Hermitage
Foto: magari blu

*O euro é aceito em São Petersburgo?

A moeda local é o rublo e o euro não é amplamente aceito. Para fazer a conversão, 1 real brasileiro corresponde a cerca de 16 rublos.

*O que fazer?

Hermitage

O museu Hermitage, o mais famoso de São Petersburgo e um dos mais conhecidos do mundo, está instalado no Palácio de Inverno. Com suas 1.000 salas, foi construído para a imperatriz russa Elizabeth, como a maior residência do planeta.

SP DSCN1715

Escadaria do Hermitage
Foto: magari blu

O museu não abre às segundas-feiras e a entrada custa 400 rublos. Para ter acesso a Gold Room, a sala do ouro, é preciso pagar um valor extra de 300 rublos. Optei por não visitar a Gold Room, pois em outras salas do museu se vê muito, muito ouro dos imperadores, assim como nos outros palácios nos arredores de São Petersburgo que tive a oportunidade de visitar.

SP DSCN1713

Hermitage
Foto: magari blu

Catedrais

Não deixe de visitar também as catedrais de São Petersburgo, como a St. Isaac (em frente ao hotel Four Seasons) e a St. Peter Paul.

Catedral St. IsaacFoto: magari blu

Catedral St. Isaac
Foto: magari blu

Catedral St Peter St PaulFoto: magari blu

Catedral St. Peter Paul
Foto: magari blu

LP DSCN1590

Interior da St. Peter Paul:
Parece mámore rosa e verde, mas são pinturas nas colunas
Foto: magari blu

LP DSCN1597

Detalhes de ouro no altar
Foto: magari blu

A Catedral do Nosso Salvador do Sangue Derramado é talvez a igreja mais bonita na qual eu já estive. Seu exterior impressiona pelas cores e formas inusitadas quem está acostumado a visitar as sóbrias catedrais italianas e francesas.

Catedral Nosso Senhor Sangue DerramadoFoto: magari blu

Catedral Nosso Salvador do Sangue Derramado
Foto: magari blu

O interior, por sua vez, é todo enfeitado com mosaicos coloridos, numa harmonia viva e cheia de história, que enche os olhos. É linda demais!

SP DSCN1624

Interior de mosaicos
Foto: magari blu

Peterhof e Palácio da Catarina

A uma hora de São Petersburgo, estão, respectivamente, o Palácio Peterhof, assim como o Palácio da Catarina, que encantam pela magnitude e pela riqueza de detalhes, arte e peças de mobiliário da época dos czares.

Peterhof é o meu favorito. Localizado na cidade que leva o mesmo nome, o palácio é lindo de morrer, de frente para o mar (apesar de estar a uma distância razoável da água). Recepções eram organizadas pelos czares na propriedade, de maio a setembro, durante o verão.

Detalhe da fachada de PeterhofFoto: magari blu

Detalhe da fachada de Peterhof
Foto: magari blu

“Peterhof” significa a corte ou então os jardins de Pedro – que são realmente um espetáculo!

SP DSCN1641

Jardim de Peterhof
Foto: magari blu

Jardim de PeterhofFoto: magari blu

Jardim de Peterhof
Foto: magari blu

SP DSCN1650

A sacada e o canal que deságua no mar, ao fundo
Foto: magari blu

SP DSCN1661

Peterhof
Foto: magari blu

Detalhe das estátuas de ouro em PeterhofFoto: magari blu

Detalhe das estátuas de ouro em Peterhof
Foto: magari blu

A entrada custa de 300 a 500 rublos, dependendo do dia da semana, e os sapatos levam proteção para não danificar os mosaicos de madeira do piso no interior do palácio. Durante o verão, todos os dias às 11h tem show nas fontes.

O Palácio da Catarina, localizado em Pushkin, encanta também pela riqueza de detalhes. A entrada custa 400 rublos. O piso, também de mosaicos de madeira, contrasta com os detalhes de ouro.

foto 2 (21)

Palácio da Catarina iluminado à noite
Foto: magari blu

foto 4 (8)

Uma das salas do Palácio, com exibição de traje da época
Foto: magari blu

O grande destaque do palácio é a sala do âmbar, toda trabalhada na resina fóssil – material que faz, até hoje, o maior sucesso nos países bálticos, muito utilizado em joias e enfeites.

foto 5 (6)

Ambar Room: a sala de âmbar e ouro
Foto: magari blu

Ali ao lado, está ainda o Museu da Carruagem, que também é interessante de ser visitado, com vários veículos de diferentes períodos. Ares de Cinderella!

Museu da Carruagem

Museu da Carruagem
Foto: magari blu

*Onde provar strogonoff?

O strogonoff, prato que amamos loucamente no Brasil, tem origem russa e se chama stroganoff por lá.

O original não vem acompanhado de batata palha e nem de arroz, e sim, de purê de batata, pepino e beterraba. O gosto em si é parecido, bem saboroso. Por ser um prato típico russo, pode ser encontrado em diversos restaurantes em São Petersburgo. A nossa dica é prová-lo no agradável terraço do hotel Belmond Grand Hotel Europe.

StroganoffFoto: magari blu

Stroganoff
Foto: magari blu

Por quê lá? Porque é o hotel mais tradicional da Rússia, com arquitetura riquíssima em detalhes, além de ter um bar lindo no seu interior. Vale a visita, mesmo para quem não estiver hospedado.

GHE-EXT-02 (2)

Grand Hotel Europe
Foto: Divulgação

Onde encontrar:
www.belmond.com

*Confira mais dicas de São Petersburgo aqui!

Ana Maria Junqueira está sempre viajando pelo mundo. É editora do Magari blu, consultora em viagens e a embaixadora de viagens da Perrier no Brasil.