Magari blu ajuda: como lidar com a “depressão” pós viagem

O retorno de um feriado prolongado como o carnaval, ou então de um período maravilhoso de férias ou de lua de mel, muitas vezes acarreta sensação de desânimo e falta de entusiasmo para encarar de novo a rotina. Você provavelmente já sentiu isso – ou está sentindo hoje, não é?

Quem nunca regressou para a vida real querendo voltar no tempo e viver feliz para sempre bem longe da rotina?

Conversamos com especialistas para entender melhor se existe a tal “depressão” pós viagem. A psicanalista Renata Aleotti primeiramente esclarece que o correto seria falar mais em um “stress pós viagem do que uma depressão”.

A psicóloga comportamental Lygia Dorigon explica ainda que “não há um padrão” para todas pessoas que retornam de uma viagem incrível, “mas não é incomum apresentarem menor predisposição para as atividades do dia a dia e uma certa desmotivação para encarar a rotina”.

Vamos entender melhor e nos prevenir!

As razões para se sentir desmotivado com a rotina ao retornar de uma viagem

A desmotivação pré existente no trabalho ou na rotina pode ser uma das causas dessa deprê. Lygia Dorigon aponta que pessoas que não estavam felizes com a vida profissional ou com a maneira com que vinham organizando sua rotina, por exemplo, podem se sentir ainda menos dispostas depois de retornar de uma viagem. A consequência “pode ser um desinteresse generalizado por atividades que, até então, o indivíduo realizava sem maiores problemas”, exemplifica a psicóloga comportamental.

Flavia Soubihe, especializada em coaching para mulheres e sócia da Woman to Be, também verifica em seu trabalho que não é raro as pessoas se mostrarem cansadas, “apesar de teoricamente terem descansado nas férias, tristes, incapazes de ter foco para fazer suas atividades diárias, com raiva, e em última instância, até depressivas”.

Mas não só quem estava insatisfeito com a vida profissional pode ficar desanimado na volta de um período de descanso. Afinal, quando saímos de férias, nos desligamos totalmente das nossas responsabilidades e ficamos sem nenhuma preocupação. É difícil depois encarar a vida real.

Não há como negar: o prazer em viagens é maior do que as obrigações. Renata Aleotti complementa que, nas férias, “os horários são mais flexíveis, podemos escolher o que fazer, a que horas comer, acordar. Em uma viagem bem programada, o que predomina é o prazer estético e sensorial, pois entramos em contato com paisagens e lugares que alimentam os olhos e os sentidos”.

“Todas essas situações, que tendem a ser constantes em um período de férias, promovem sensações de prazer, encantamento e criam uma predisposição para que o indivíduo aproveite os momentos da viagem com cada vez mais entusiasmo”, complementa Lygia Dorigon.

Como lidar com a tal da “depressão” pós viagem

Para atravessar esse período turbulento, a dica é de se manter realizando as suas atividades e evitar tomar grandes decisões. Não é boa hora para apostar em mudanças, já que, como vimos, é um momento em que o valor das coisas se altera temporariamente.

Só vai passar no próximo carnaval?

Segure as pontas, pois esse sentimento vai passar – é uma sensação de tristeza breve e não deve durar muitos dias!

Para evitar o desânimo no retorno à rotina depois de uma próxima viagem

Encontrar o equilíbrio na sua vida, deixando a rotina agradável, de modo que a alegria não venha somente com as férias – essa é a chave para diminuir os efeitos da “depressão” pós viagem.

Não podemos nos esquecer de que as nossas atividades são fruto de nossas escolhas – e, por isso, devem ser prazerosas e motivantes. Mesmo que sejam atividades caseiras. Renata Aleotti complementa que “a dificuldade em nos sentirmos gratificados pelas nossas atividades pode ser um sinal que devemos repensar nossas escolhas, ou a maneira como nos relacionamos com elas. Quem sabe não está hora de mudar alguma coisa em nossa vida?”.

Para fazer isso, a coach Flavia Soubihe dá a dica de analisar todas as áreas de sua vida e escolher focar em mudanças naquela que pode afetar positivamente outras áreas e, consequentemente, impactar de maneira eficaz em todas as searas que precisam de atenção. “Muitas vezes estamos insatisfeitas com muitas coisas e paralisamos por não sabermos por onde começar” e aí pode entrar o coaching como ferramenta, já que “coaching é foco e ação. Escolha um foco de mudança e se proponha a fazer ações diferentes para atingir os resultados”, complementa a coach.

É, eu também tenho meus dias de depressão pós viagem! Foto: magari blu

É, eu também tenho meus dias de depressão pós viagem!
Foto: magari blu

A ideia não é só ser feliz viajando, mas ter uma rotina equilibrada e agradável, para a qual ficamos felizes também em voltar depois de um break. 🙂

Ana Maria Junqueira está sempre viajando pelo mundo. É editora do Magari blu, consultora em viagens e a embaixadora de viagens da Perrier no Brasil.