Magari blu ajuda: 10 dúvidas frequentes sobre a viagem à África do Sul

Viagens pela África por Fernanda Fleury

Muita gente tem dúvidas quando planeja uma viagem para a África do Sul pela primeira vez. Aqui, as 10 dúvidas mais frequentes que recebo e as suas respostas. Espero que ajude!

Preciso de visto para ir para a África do Sul? Existe algum outro documento necessário para embarcar?

Não, brasileiros a passeio não necessitam de visto para entrar na África do Sul. Porém um documento extremamente importante, e que sem ele você não embarca, é o Certificado Internacional de Profilaxia (o CIVP, ou a famosa carteirinha de febre amarela) reconhecida pela Anvisa. Atente-se a dois pontos importantes na hora de tomar a injeção de febre amarela:

– A carteirinha deve ser reconhecida pela Anvisa. Não adianta tomar a vacina em postos de saúde que não têm essa carteirinha pois não são aceitos no embarque. A carteira da Anvisa está escrita em português e inglês e o posto mais comum de vacinação é no Hospital das Clínicas em São Paulo. Para mais informações e locais de vacinação, acesse o site: www.portal.anvisa.gov.br

– A vacina deve ser tomada no mínimo 10 dias antes da viagem.

– O processo é rápido e a carteirinha é emitida na hora.

Qual é a moeda local e qual seu valor referente ao real?

A moeda da África do Sul é o rand. Hoje o real encontra-se favorável à moeda sul-africana. Para a conversão para real, divida o valor em rand por 4,72. Cartões Visa e MasterCard são amplamente aceitos no país.

Johannesburgo é realmente uma cidade violenta? Tenho que tomar algum tipo e cuidado?

Assim como qualquer cidade grande, Johannesburgo exige cuidados, porém está longe de ser a cidade perigosa e violenta como é taxada. Muita gente reforça esse perigo sem mesmo nunca ter vindo para cá. Para quem mora em cidades como São Paulo ou Rio de Janeiro, perceberá que a cidade é bastante tranquila, com pessoas extremamente simpáticas. Os cuidados que devem ser tomados são os mesmos que em qualquer cidade grande: não ande sozinho à noite e não circule por áreas que podem ser mais perigosas ou escuras (não faríamos o mesmo em nossa cidade, certo?). No mais, venha tranquilo e se permita conhecer Johannesburgo, que vai te surpreender! Aqui estão as nossas dicas.

Existem vários tipos de safári. Qual devo escolher?

Não existe um único safári ideal, mas existe o safári que melhor se adequa às suas exigências e ao seu bolso! Essa é a minha primeira dica. Se você fizer uma rápida busca na internet, verá que a África do Sul oferece divesas opçõea de safáris, em diferentes regiões, com propostas bem similares. Cabe a você então fazer a escolha, considerando os seguintes pontos:

– Preço: geralmente os hotéis oferecem um valor fechado por dia e por pessoa com os seguintes itens inclusos: refeições (café da manhã, almoço e jantar), game (nome que eles dão para o safári em si, feito com guias especializados, em veículos 4×4) e hospedagem. Dependendo da distância, um voo até a reserva do hotel será necessário. Geralmente o aéreo não está incluso.

– Distância: a ida para o Kruger, por exemplo, pode ser feita de avião (aproximadamente 45 minutos) ou de carro (mais ou menos 5 horas). Tudo dependerá de sua disposição, espírito aventureiro e tempo.

– Animais: certifique-se que a reserva em que seu hotel está localizado comporta os “Big Five”, ou seja, os principais animais do continente africano (elefante, búfalo, rinoceronte, leão e leopardo). Hotéis que têm esses animais costumam ter uma tarifa um pouco mais cara pois geralmente são reservas maiores. Mas é claro que vale cada centavo. Lembre-se que também existe um fator de sorte no safári. Tem gente que vai pela primeira vez e consegue ver todos os animais. Outros já foram várias vezes e ainda não tiveram a chance de ver o leopardo, por exemplo (aliás, considere-se sortudo caso o veja). Recomendo a reserva de Sabi Sands e Kruger. Ambas abrigam diferentes lodges com os mais diversos preços.

A simpática girafa na África do SulFoto: Fernanda Fleury

A simpática girafa na África do Sul
Foto: Fernanda Fleury

Quantos dias devo ficar em cada destino durante a minha ida para a África do Sul?

Acredito que os períodos abaixo em cada região são os mais apropriados e menos cansativos:

Johannesburgo: 2 noites (assim dá para fazer um dia de passeio, considerando um dia de trânsito para outras regiões);

Cape Town: no máximo 4 noites em Cape Town + 1 ou 2 noites nas regiões de vinícolas (Franschhoek, Stellenbosch e Constantia), dependendo de seu interesse por gastronomia e vinhos. Caso curta muito esta parte, recomendo ficar três noites;

Safári: o safári pode ser o máximo, principalmente se você estiver vindo pela primeira vez, mas muitos dias pode tornar o passeio repetitivo e cansativo. Aconselharia três noites, no máximo.

Quero levar meu filho na viagem. Vou conseguir levá-lo em algum safári?

As crianças amam a África do Sul. É uma experiencia única para que os pequenos estejam em contato com os bichos e com a natureza. Apenas atente-se que determinados hotéis não aceitam crianças menores de 6 anos, já que muitas vezes eles se cansam e acabam atrapalhando o passeio. Mas não deixe de trazê-los. Existem safáris que aceitam crianças. Além disso, Johhanesburgo tem alguns parques que são como “Simba safáris” próprios para eles. Com direito a entrar na jaula do leaãzinho bebê! Cape Town é uma delícia com os filhos – confira aqui as dicas.

Qual é a melhor época para ir à África do Sul?

O verão sempre é uma época mais agradável para viajar. Aqui o verão é como no Brasil (dezembro/janeiro) e chove um pouco mais na região onde estão concentrados os safáris. Então existe a possibilidade de as chuvas acontecerem com mais frequência e os animais mais reclusos. Em Cape Town, o tempo é super firme nessa época do ano e muito agradável.  Já no inverno (junho/julho/agosto), a região dos safaris está mais seca e a probabilidade de ver bichos é mais alta. Por outro lado, em Cape Town chove bastante. Acredito que os meses de abril, maio, setembro e outubro sejam boas épocas para vir para cá.

Além dos destinos mais comuns como Cape Town, Johannesburgo e Kruger, você sugere algum outro destino?

Como sempre digo aqui no Magari blu, a África é uma grata supresa! Sim, existem vários destinos a serem visitados, muitos deles considerados paradisíacos que, se seu bolso e tempo permitir, você tem que ir! Lugares como: Seychelles, Mauritius, Ruanda (para ver os gorilas), Zimbabue e Zambia (para ver Victoria Falls – umas das maiores cachoeiras do mundo), Kenya (para ver a migração dos animais) são algums dos destinos que estão a poucas horas de avião de Johannesburgo.

Preciso contratar um guia ou posso dirigir sozinho? A carteira de motorista do Brasil é aceita?

Em primeiro lugar, é importante reforçar que a mão de carro aqui na África do Sul é a inglesa, ou seja, mão direita. Pode ser que no primeiro dia você se atrapalhe um pouco até pegar o jeito, mas acredite, não é um bicho de sete cabeças. Com um bom GPS, não há a necessidade de um guia, se você estiver disposto a alugar carro, e poderá ficar mais à vontade fazendo o itinerário em seu tempo. As estradas e as ruas são ótimas, o sul-africano é bem educado no trânsito (herança inglesa), então alugar um carro é uma ótima saída.

Sim, a carteira de motorista brasileira é aceita por aqui. Caso você tenha a certeira internacional, melhor. Fique atento apenas com a questão da velocidade e de bebida alcólica combinada com direção. A polícia na África do Sul não é nada fácil e mesmo com o “jeitinho brasileiro, você pode ter problemas. Evite beber e dirigir.

Devo me preocupar com o Ebola na África do Sul?

Esta é a pergunta que tenho escutado com mais frequência nos últimos tempos. Não, você não deve se preocupar com o Ebola aqui na África do Sul. Isso porque o surto existe sim no continente africano, porém está muito longe da África do Sul. E quando digo longe, é longe mesmo. Alguns dados que te deixarão mais tranquilos:

– O continente africano é maior que os EUA, Índia, China, Europa e Japão combinados.

– A África não é um único país, mas sim, um conjunto de nações independentes (cada qual com sua fronteira). Hoje, a África do Sul fechou suas fronteiras com países que passam pelo surto de Ebola.

– As principais zonas onde estão os safáris são na zona extrema sul do continente (assim, como Cape Town e Johannesburgo), ficando a milhares de quilômetros das zonas de surto. Para se ter uma ideia, Cape Town está a mais de 5.000 quilômetros de uma zona considerada perigosa. Essa distância é maior do que a distância da zona infectada até a Espanha, por exemplo.

Venham sem preocupações e aproveitem essa viagem que tem tudo para ser inesquecível!

Fernanda Fleury é publicitária e em 2012 mudou-se para Joanesburgo na África do Sul. Desde então, tem mergulhado na cultura e nos destinos maravilhosos no continente africano. Em sua coluna, divide com os leitores as suas viagens e dicas, desde os roteiros mais tradicionais aos passeios exóticos e inusitados pelos vários países da África.