Safáris: Kruger Park e Deserto do Kalahari

Por Teresa Perez Tours

Continuando o nosso giro especial pela África do Sul, vamos conhecer hoje os safáris no Kruger Park e no Deserto do Kalahari!

– KRUGER PARK

Imagine esse cenário…

O jipe abandona a estrada de terra e se embrenha na savana. Nas horas seguintes, os participantes da expedição verão elefantes caminhando tranquilamente bem diante do veículo, leopardos fazendo tocaia no alto de uma árvore, leoas espreitando uma distraída manada de búfalos… Fosse um safári de antigamente, os visitantes estariam armados com rifles. Os tempos, por sorte, mudaram. Estão munidos, no máximo, de câmeras e binóculos.

A África do Sul é, por natureza, pródiga em safáris. Sua reserva mais célebre é o Kruger Park, na fronteira com Moçambique.

Essa imensa área de savana foi transformada em parque no século XIX por Paul Kruger, o presidente da época, para deter a matança de animais. Decisão acertada!

De extraordinária riqueza, a vida selvagem do Kruger Park garante experiências emocionantes e sensações inesquecíveis!

Vamos conhecê-lo melhor.

 

*Na mira… da sua câmera! Big Five.

Os caçadores do passado cunharam a expressão big five para classificar os animais mais temidos da África – o rinoceronte, o elefante, o leão, o búfalo e o leopardo.

Felizmente, eles já não são caçados. Mesmo assim, a expressão permanece.

Não há emoção maior do que conseguir fotografar – bem de perto – todos os big five num dia de safári.

Foto: Teresa Perez Tours

Foto: Teresa Perez Tours

*Como funcionam os safáris?

Os safáris são conduzidos por dois especialistas e o tracker localiza os animais.

Nenhum bicho, mesmo ao longe ou camuflado nos arbustos, escapa de seu olhar apurado.

Já o ranger conduz o jipe. A cada animal apontado pelo colega, ele freia o veículo e dá uma aula completa sobre a espécie em questão. Não há curiosidade que não saiba esclarecer!

Nascidos e criados na região do Kruger Park, rangers e trackers conhecem a savana como ninguém.

 

*O que é o ritual do boma dinner?

O dia de safári precisa ser fechado com um boma dinner. É uma tradição antiga!

Numa área cercada bem ao lado do lodge, em meio à brisa fresca da noite e sob o céu estrelado da savana, os aventureiros se sentam ao redor de uma fogueira. Enquanto saboreiam um típico jantar africano, enumeram os animais que avistaram e descrevem as emoções que viveram na expedição daquele dia.

Incrível!

 

*Onde ficar?

LODGES

– Camp Jabulani

Além das tradicionais expedições em jipe, o Camp Jabulani organiza safáris em lombo de elefante.

Com docilidade, os grandes animais levam os aventureiros para desbravar a savana. Lá do alto, é possível ver as girafas quase olho no olho.

O Camp Jabulani conta com apenas seis suítes e fica na região das Montanhas Drakensberg, que também podem ser exploradas de balão.

Foto: Lodge Camp Jabulani

Onde encontrar:

Reserva Kapama
www.campjabulani.com

 

– Londolozi

Os cinco lodges Londolozi, cada um num estilo próprio, ficam numa reserva privada cortada pelo Rio Sand. Na região, são encontradas todas as grandes espécies da savana.

De todas elas, o Londolozi tem especial predileção pelo leopardo. Seus naturalistas fizeram um mapa, atualizado de tempos em tempos, com a foto e o nome de todos os leopardos que transitam pela reserva.

Foto: Lodge Londolozi

Onde encontrar:

Reserva Sabi Sand
www.londolozi.com

 

– Singita Boulders Lodge

No Singita Boulders, o elemento principal é a pedra. É como se o lodge naturalmente fizesse parte da paisagem.

As paredes das suítes são feitas de pedra aparente. No centro da sala, que guarda a extensa coleção de vinhos do Singita Boulders, está uma grande rocha que já repousava ali, às margens do Rio Sand, desde antes da chegada do lodge.

Foto: Singita Boulders Lodge

Onde encontrar:

Reserva Sabi Sand
www.singita.com

 

– DESERTO DO KALAHARI

O Deserto do Kalahari se espalha pelos territórios de Botswana, Namíbia e África do Sul.

Graças às chuvas relativamente frequentes, a porção sul-africana é a mais favorável à vida. É conhecida, por isso, como Kalahari Verde. Quando chega setembro, a primavera tinge a aridez vermelha das dunas com o verde dos gramados e as cores vivas das flores.

As planícies são habitadas por guepardos, girafas, zebras, antílopes… Os rinocerontes negros e os leões de juba preta, raros, também são encontrados lá. Os suricatos, aqueles pequeninos e adoráveis mamíferos que se erguem sobre a cauda e as duas patas traseiras para observar ao longe, vivem apenas no Kalahari.

Suricatos
Foto: Teresa Perez Tours

Os safáris são sempre bem-sucedidos no deserto, já que a vegetação escassa permite localizar os animais com extraordinária facilidade. Quando o sol se põe, os olhos são atraídos para cima. É difícil encontrar no mundo céu que tenha estrelas mais luminosas do que as do Kalahari.

 

*Onde ficar?

LODGES

Feitos de pedra, argila e palha, os elegantes bangalôs do Tswalu ficam aos pés de uma montanha e com uma vista do Kalahari que chega até o horizonte.

Experiência inesquecível é dormir do lado de fora do bangalô, sob o céu brilhante do deserto.

O hotel oferece telescópio para ver melhor as estrelas e os planetas. E as crianças contam com uma série de atividades especiais.

Foto: Tswalu Lodge

Onde encontrar:

Deserto do Kalahari
www.tswalu.com