Jericoacoara – no melhor esquema!

24/02/2014

Viagens pela América Latina por Roberto Farkas Bitelman

Já estive algumas vezes em Jeri mas, sem dúvida, foi na última viagem que tive a experiência mais completa e bacana. Dividi minha estadia entre o vilarejo de Jeri mesmo e a Praia do Préa, que fica a 12km dali (aproximadamente 25 minutos de carro ou buggy).

Jericoacoara

Jericoacoara
Foto: Divulgação

Jericoacoara

Jericoacoara
Foto: Divulgação

O bacana de ficar na vila é ter por perto uma série de restaurantes, barzinhos, lojas e outros serviços, e até algumas opções noturnas para dançar. É um lugar gostoso para passear, ver rodas de capoeira no final da tarde, subir na duna do pôr do sol no final do dia (adivinha para quê?!) e curtir um pouco desse agito moderado.

Jericoacoara

Roda de capoeira em Jeri
Foto: Divulgação

E o legal de ficar na Praia do Preá é, principalmente, a sensação de isolamento, de estar numa praia deserta, praticamente sem vizinhos. Outra vantagem grande do Préa é o vento, perfeito para a prática do kitesurf e do windsurf.

Jericoacoara - windsurf

Windsurf na Praia do Preá
Foto: Divulgação

O que me possibilitou ter essa experiência completa e dinâmica foi a dupla de pousadas Rancho do Peixe, no Preá, e Vila Kalango, em Jeri. Elas pertencem aos mesmos donos e tem um estilo parecido, com muito uso de madeira e de palha, além de posicionamento estratégico, estrutura impecável e serviços de primeira. Não oferecem luxo excessivo, mas tudo o que um hóspede exigente pode querer, num estilo rústico e muito confortável.

Rancho do Peixe

A piscina da Pousada Rancho do Peixe
Foto: Divulgação

Rancho do Peixe

Pousada Rancho do Peixe
Foto: Divulgação

Vila Kalango

No mesmo estilo, a Vila Kalango
Foto: Divulgação

Vila Kalango

E a piscina da Pousada Vila Kalango
Foto: Divulgação

De ambas as praias se pode conhecer as lagoas maravilhosas, a Pedra Furada, dunas infinitas e outras surpresas de tirar o fôlego.

Mas se você preferir ficar hospedado somente em uma dessas pousadas, saiba que pode usar toda a estrutura da outra (piscina, toalhas, bar, restaurante, escola/guarderia de windsurf e kitesurf). Os próprios hotéis oferecem transfer algumas vezes ao dia ou você pode contratar um buggy para o deslocamento.

*Administrador especializado em Comportamento do Consumidor, Roberto Farkas Bitelman está no ramo de viagens há 13 anos e seu trabalho é focado em destinos no Brasil e América Latina. É fundador do selo SUL Hotels, que reúne os melhores hotéis independentes da América Latina, e sócio dos restaurantes Le Jazz em São Paulo. Sua grande paixão é descobrir os melhores lugares para se hospedar, comer e visitar pelo nosso continente e é esse o assunto tratado por Roberto no Magari Blu.