Gorilas em Ruanda

08/07/2013

Viagens pela África por Fernanda Fleury

Existem tantos lugares legais e interessantes no mundo que, quando vamos planejar nossa próxima viagem, ficamos até confusos. A dúvida é sempre a mesma: repetir um lugar que já visitamos e gostamos muito ou se aventurar pelo desconhecido e provar a maravilhosa sensação do novo? Essa decisão sempre é bastante difícil, principalmente quando temos poucos dias no ano para chamarmos de férias.

Foi numa dessas dúvidas e com tantas opções bacanas na África que acabei optando por Ruanda. Um lugar exótico, cheio de história, pouco conhecido e com a única concentração de gorilas de montanha do mundo – fato determinante para a escolha do lugar. Incrível pensar que somente nessa região você encontrará esse primata que é tão semelhante com o humano.

ruanda DSC01396 (2)

Os gorilas em Ruanda
Foto: Fernanda Fleury

Ruanda carrega consigo um passado bastante difícil. Após vários anos de instabilidade política e uma grande rivalidade entre dois grupos étnicos da região, iniciou-se em 1994 o maior genocídio da história. Quase um milhão de pessoas foram exterminadas do dia para a noite, deixando o país arrasado. Muita gente considera o fato histórico, bastante recente, semelhante ao holocausto na Alemanha.

Para não dizer que a tragédia parou por aí, nos vários anos que se passaram os gorilas das montanhas também quase foram extintos do mundo – hora por conta de armadilhas que eram deixadas nas florestas para capturar outros animais, hora porque o gorila era alvo de superstição e seus membros eram considerados valiosíssimos no mercado negro.

Após o período turbulento, o país está hoje se recuperando rapidamente, é pacífico e descobriu no turismo, especialmente nos quase extintos gorilas, a sua forma de sobrevivência. E o mais curioso: o povo é alegre e cheio de otimismo.

Existem duas populações de gorilas na África: uma que encontra-se na Montanhas Vulcânicas de Virunga, na África Central e a outra em Biwindi, em Uganda. A opção por Ruanda foi feita por dois motivos: facilidade de chegada (com voo direto de Johannesburgo para a capital, Kigali), transfers fáceis até o parque nacional (que fica a duas horas e meia do aeroporto) e a pacificidade do país. Atualmente o Congo não é indicado para passeios turísticos.

A viagem para Ruanda gira em torno dos gorilas. Gente do mundo inteiro vai até lá em busca do trekking dentro do parque Nacional dos Vulcões para ver famílias inteiras dos primatas. E não é à toa. A experiência de ter a pouquíssimos metros de você um bicho tão raro, primitivo, grande e dócil em seu habitat natural é de emocionar e arrepiar até os mais corajosos. Eles são curiosos, brincalhões e não se assustam com a presença de humanos. Vivem em grupo, formado pelo líder, o Silver Back (por conta dos pelos cinza que carrega nas costas), várias fêmeas, gorilas jovens e bebês. O gorila macho chega a pesar 230 quilos e ter mais de 1.8 metro de altura.

ruanda DSC01357

Gorila em Ruanda
Foto: Fernanda Fleury

Além desse passeio imperdível, existem ainda outros como a escalada pelo Vulcão Bisoke e atividades em torno do Lake Kivu, o quinto maior lago da África. Três noites no Parque Nacional dos Vulcões é o suficiente.

Passeios:

– Trekking com os Gorilas

O trekking acontece em floresta fechada. É liderado por um guia credenciado do parque nacional e alguns rangers – homens do exército local encarregados de proteger as matas e principalmente os gorilas. Lá, você poderá escolher entre o trekking longo, de aproximadamente 4 horas (ida e volta) ou o curto, de 1 hora no máximo.

ruanda DSC01248

Trekking com os gorilas
Foto: Fernanda Fleury

Antes do passeio você receberá um briefing do local, com a explicação de qual das famílias que irá visitar (o parque tem cerca de 8 famílias) e como se portar quando estiver em contato com os gorilas. Eles são bem enfáticos quanto a distância que você deve manter dos bichos (7 metros), porém, quando você os encontra, eles acabam passando muito mais perto do que você imagina! Como os guias tem comunicação constante com os rangers, é certeza que você vai encontrar os gorilas. E não é apenas um! São famílias grandes, de aproximadamente dez membros. Após o encontro, os visitantes têm direito a ficar uma hora (contada no relógio!) com os gorilas. Tempo suficiente para tirar muitas fotos, observá-los e ficar encantado.

ruanda DSC01350

Trekking com gorilas
Foto: Fernanda Fleury

ruanda DSC01388

Os gorilas em Ruanda
Foto: Fernanda Fleury

– Escalada no Vulcão Bisoke

Para os que gostam de escaladas e estão preparados fisicamente, este passeio é pura aventura! A subida do vulcão Bisoke é bem intensa. Afinal, são aproximadamente 3.700 metros acima do nível do mar em mata fechada. Mas, como tudo na vida, o longo caminho tem sua recompensa e o passeio vale muito a pena: a vista do topo é linda e ainda você tem a chance de “esbarrar” em um gorila durante o passeio.  O vulcão, que está inativo, possui  dentro de sua cratera um lago lindo, cercado de uma vegetação rara, encontrada somente na região. A escalada é feita em aproximadamente 4 horas de subida liderada por um guia e rangers que auxiliam durante o caminho. Em épocas de chuva, a aventura pode ficar um pouco mais difícil por conta do barro. A descida já é mais rápida, e em aproximadamente três horas você já está de novo na base do vulcão. Imprescindível tênis confortável, roupas (calças e camisetas) adequadas, agasalho (afinal, o topo do vulcão é bastante frio) e o principal: o bastão que o guia empresta antes da escalada. Não deixe de pegar!

ruanda 1

A paisagem no Vulcão Bisoke
Foto: Reprodução

– Lake Kivu:

Faz parte do conjunto dos grandes lagos africanos e é o sexto maior lago na África com 2.700 km² de extensão. Recentemente, o governo ruandês descobriu no lago o metano, que pode ser o futuro próspero do país. Enquanto isso não acontece, você pode desfrutá-lo, já que de tão extenso mais parece uma praia. Atividades como passeios de jet ski e caiaque são oferecidas no lago. Para quem quiser descansar dos passeios do dia, permita-se relaxar em uma das cadeiras de “praia” e curtir o sol.

ruanda DSC_0289-L

Lake Kivu
Foto: Reprodução

Onde ficar:

Muita gente opta ficar perto do Parque Nacional quando vai para Ruanda, porém, depois de dias cansativos de escaladas e passeios dentro de mata, sempre é bom descansar em um lugar confortável. O Lake Kivu Serena Hotel está localizado às margens do lago Kivu.

ruanda 456x313_lake-kivu-serena-hotel

Lake Kivu Serena Hotel
Foto: Reprodução

Fica a uma hora de carro do Parque Nacional e é uma ótima pedida para aqueles que gostam de conforto e preferem relaxar próximo à piscina ou na praia privativa do hotel. À noite, durante o jantar, sempre tem um show para entreter os hóspedes e o serviço é bem atencioso. Em dias em que os passeios se iniciam mais cedo do que o horário do café da manhã, a equipe do hotel se encarrega de providenciar um café da manhã “delivery”.

Depois dessa experiência incrível em contato com a natureza e com os gorilas, e se ainda sobrar tempo, aconselho uma passada rápida no Museu do Genocídio em Kigali. É super bem conservado e retrata o ano de 1994. Opte pelo tour com fone de ouvido para ir escutando a história de Ruanda enquanto passeia pelo museu. Algumas salas são bastante chocantes, porém, é muito bacana ver como o país se reergueu após um fato histórico tão marcante.

Por último, gostaria de passar a dica de dois filmes interessantíssimos que falam bastante sobre Ruanda. São antigos, mas valem muito a pena. Afinal, é tão gostoso sabermos um pouco mais do país que vamos visitar antes mesmo de chegar lá, não é? Anotem aí:

– Nas Montanhas dos Gorilas (“Gorillas in the Mist: The Story of Dian Fossey”, 1988) – o filme fala sobre a história real de Dian Fossey, uma cientista que veio para a África estudar a extinção dos gorilas e acabou sendo importantíssima para a conscientização da preservação da espécie.

– Hotel Ruanda (“Hotel Rwanda”, 2004) – o premiado filme relata a história real de Paul Rusesabagina, que foi capaz de salvar a vida de 1268 pessoas durante o genocídio de Ruanda. Logo depois das primeiras exibições, sua história foi imediatamente comparada com a de Oskar Schindler.

*Fernanda Fleury é publicitária e em 2012 mudou-se para Joanesburgo na África do Sul. Desde então, tem mergulhado na cultura e nos destinos maravilhosos no continente africano. Em sua coluna, divide com os leitores as suas viagens e dicas, desde os roteiros mais tradicionais aos passeios exóticos e inusitados pelos vários países da África.