Diário da lua de mel: Singita Lebombo no Kruger Park

Diário da lua de mel por Ana Maria Junqueira

The best for the last! Apesar de a minha lua de mel ter superado todas as minhas expectativas (que já eram altas!), fechamos com chave de ouro com safáris pelo Kruger Park na África do Sul.

O primeiro lodge que ficamos hospedados é o Singita Lebombo. A rede Singita é superforte na África e é sinônimo de crème de la crème nos safáris.

O aviso já mostra a que veio!Foto: magari blu

O aviso já mostra a que veio!
Foto: magari blu

Existem 5 lodges Singita na África do Sul e em qualquer um deles você estará muito bem servido.

Sobre o lodge Singita Lebombo

O Singita Lebombo tem 15 quartos, construídos com impacto mínimo no meio-ambiente, e que ficam espalhados como bangalôs no alto da montanha. O lodge está em uma reserva particular na porção leste do Kruger Park, pertinho de Moçambique. O nosso quarto era o último de uma das pontas do lodge, o que dava uma privacidade especial para os honeymooners!

Singita Lebombo - o último quarto da direita é o nosso!Foto: magari blu

Singita Lebombo
O último quarto da direita é o nosso!
Foto: magari blu

O caminho até a acomodação é sempre uma aventura. Um deck de algumas centenas de metros separa o quarto da área comum do hotel. Não tem proteção contra os animais, qualquer bichinho (ou bichão!) pode aparecer pelo percurso. Ai, que adrenalina!

A vista para o rio no caminho até o quartoFoto: magari blu

A vista para o rio no caminho até o quarto
Foto: magari blu

O quarto é um capítulo à parte! Todo de vidro, se tem uma vista panorâmica da savana, sobretudo do rio logo à frente do lodge, onde hipopótamos e elefantes ficam se refrescando.

Quarto no Singita LebomboFoto: magari blu

Quarto no Singita Lebombo
Foto: magari blu

Os hipos são animais territorialistas e atacam seres que ameaçam a sua área. Eles ficam o tempo todo na água e a posição do quarto é tão sensacional que dá para ouvi-los respirando e fazendo barulhinho embaixo d’água!

Hipópotamo visto do quarto!Foto: magari blu

Hipopótamo visto do quarto!
Foto: magari blu

Eles ficam assim, amontoadinhosparecendo pedras no rioFoto: magari blu

Eles ficam assim, amontoadinhos
parecendo pedras no rio
Foto: magari blu

O quarto tem ainda uma sala e, no banheiro, duas pias individuais, banheira (com vista), um chuveiro interno e outro externo.

A salinha e o banheiro ao fundoFoto: magari blu

A salinha e o banheiro ao fundo
Foto: magari blu

A varanda tem uma cama com mosquiteiro, onde é possível passar a noite. As camareiras deixam tudo arrumadinho, inclusive com roupa de cama limpinha. Mas confesso que não tive coragem! 🙁

A cama na varandaFoto: magari blu

A cama na varanda
Você encararia passar a noite aqui?
Foto: magari blu

Apesar de o quarto ser tão especial, existe vida fora dele! O lodge tem piscina, um restaurante, lounge, sala de TV, spa, fitness center e loja (esses três últimos compartilhados com o vizinho Sweni, também Singita).

A piscina do lodgeFoto: magari blu

A piscina do lodge
Foto: magari blu

Delícia de piscina!Foto: magari blu

Delícia de piscina!
Foto: magari blu

O loungeFoto: magari blu

O lounge
Foto: magari blu

Vista do loungeFoto: magari blu

Vista do lounge
Foto: magari blu

Junto à piscina e ao restaurante:Um visitante louco para roubar comida!Foto: magari blu

Junto à piscina e ao restaurante:
Um visitante louco para roubar comida!
Foto: magari blu

Fitness centerFoto: magari blu

Fitness center
Foto: magari blu

Dá vontade de fechar um container e trazer tudo da loja!Foto: magari blu

Dá vontade de fechar um container
e trazer tudo da loja!
Foto: magari blu

Sobre o safári

5:00 am. Toca o telefone. É o simpático funcionário e sua “wake up call”. Às 5h30 devemos estar todos prontos no lounge do lodge para comer algo rápido (o café da manhã fica para a volta do safári).

O belíssimo nascer do sol visto do quartoFoto: magari blu

O belíssimo nascer do sol visto do quarto
Foto: magari blu

Às 6h estão todos no seu respectivo Land Rover para desbravar a savana no primeiro safári do dia!

Partiu safári!Foto: magari blu

Partiu safári!
Foto: magari blu

Tipos de antílopes e veadinhos são muito comunsFoto: magari blu

Espécies de antílopes e veadinhos são muito comuns
Foto: magari blu

Um pouco da paisagem localFoto: magari blu

Um pouco da paisagem local
Foto: magari blu

O mesmo acontece às 17h, quando o segundo game drive acontece noite adentro. A duração de cada saída varia entre 3 a 4 horas.

Lebombo é o nome de uma montanha,formada por esse tipo de rochaFoto: magari blu

Lebombo é o nome de uma montanha,
formada por esse tipo de rocha
Foto: magari blu

As girafas estão por toda parteFoto: magari blu

As girafas estão por toda parte
Foto: magari blu

O guia dirige o carro, que leva 6 hóspedes, acompanhado do tracker, que segue sentado em um assento fora dos bancos comuns, lá na frente. Ele vai de olho em tudo, inclusive pegadas de animais, ajudando a encontrar os Big Five!

Nosso tracker, Daniel, em busca dos Big Five! Foto: magari blu

Nosso tracker, Daniel, em busca dos Big Five!
Foto: magari blu

Os Big Five são elefante, leão, leopardo, búfalo e rinoceronte. São animais fortes e respeitados em toda a selva. Levam esse apelido por serem os mamíferos de grande porte mais difíceis de serem caçados pelo homem. Lindos, muito lindos!

Os elefantesFoto: magari blu

Os elefantes
Foto: magari blu

O rei da selvaFoto: magari blu

O rei da selva
Foto: magari blu

E a rainha!

E a rainha!
Foto: magari blu

O leopardoFoto: magari blu

O leopardo: para mim, o mais fascinante!
Foto: magari blu

BúfalosFoto: magari blu

E os búfalos
Foto: magari blu

Durante o safári, acontecem pausas para um chocolate quente com biscoitos e frutas. O carro para no meio do nada! E os mais corajosos arriscam se distanciar do grupo para fazer suas necessidades atrás de um dos arbustos (não não, eu não faço parte deste time!).

Coffee break na savanaFoto: magari blu

Coffee break na savana
Foto: magari blu

As zebrasFoto: magari blu

As zebras
Foto: magari blu

Elas são tranquilas e curiosasFoto: magari blu

Elas são tranquilas e curiosas
Foto: magari blu

Os horários dos safáris têm tudo a ver com o comportamento dos animais, pois durante o dia, com o sol a pino, eles descansam e não são encontrados facilmente. Eu fiquei tão alucinada com a experiência que se tivesse a possibilidade de fazer um terceiro game drive por dia, eu faria!

O relax da leoaFoto: magari blu

O relax da leoa
Foto: magari blu

Crocodilo descansando...Foto: magari blu

Crocodilo descansando…
Foto: magari blu

Cada saída é diferente. Situações inesperadas podem acontecer a todo momento, e animais lindos e aterrorizantes podem surgir pelo caminho. É um sentimento difícil de se explicar – viciante, talvez.

De boca aberta! Ui!Foto: magari blu

De boca aberta! Ui!
Foto: magari blu

Ai, que medo! Tão pertinho! Foto: magari blu

Ai, que medo! Tão pertinho!
Foto: magari blu

As baby hienasFoto: magari blu

As baby hienas
Foto: magari blu

As noites no lodge

O ambiente é bem informal, salto alto nem pensar – se lembra do caminho até o quarto? Muita gente segue para drinks e jantar direto após o último safári. Outros tomam banho no quarto e depois retornam para jantar no restaurante do lodge. Mas ninguém dura até muito tarde acordado, afinal, às 5 da matina temos de estar de pé!

O lounge perfeito para drinks antes do jantarFoto: magari blu

O lounge perfeito para drinks antes do jantar
Foto: magari blu

A gastronomia no Singita é de se destacar. O menu é atualizado diariamente e tem sempre delícias frescas para escolha, inclusive carnes de caça para quem quiser provar iguarias sul-africanas. Na nossa estada, certo dia tinha almôndegas de carne de girafa no cardápio. Eu não provei, ainda sou um pouco conservadora no quesito carnes exóticas…!

Se você der sorte, participará de um jantar ao ar livre iluminado pela fogueira, o “braai”.

*O que levar

Como os safáris acontecem cedinho pela manhã e no cair da noite, leve sempre uma jaqueta ou malha, além do poncho disponível no quarto (e a mantinha que vai no carro). Roupas confortáveis para subir e descer do carro, tênis, boné, óculos escuros são indispensáveis. Não se esqueça de levar máquina fotográfica, pois os cliques são sensacionais, assim como repelente, já que a zona não está livre de Malária.

Todos de chapéu e bonéA cerca faz fronteira com MoçambiqueFoto: magari blu

Todos de chapéu e boné
A cerca faz fronteira com Moçambique
Foto: magari blu

Se for de avião, a mala não deve superar 20 kg, pois os aviões são pequenos. Se tiver uma mala maior, poderá deixá-la no locker do aeroporto (mediante taxa diária) ou no lounge da Federal Air (sem custo adicional).

*Quanto tempo ficar

No mínimo, 2 noites. O máximo? Depende de você. Sempre ouvi que o máximo deveria ser 3 noites mas eu, particularmente, encararia feliz da vida 5 ou até 7 noites de safári.

Là vai a elegante girafa...Foto: magari blu

Là vai a elegante girafa…
Foto: magari blu

Mudar de lodge é uma boa para períodos maiores. Dá para ter a experiência em outro tipo de hotelaria e, principalmente, para conhecer outra região no Kruger ou adjacente a ele. Com isso, aumenta a possibilidade de avistar diferentes tipos de animais ou maior quantidade deles.

O leão caminhando tranquilamente pela savanaFoto: magari blu

O leão caminhando tranquilamente pela savana
Foto: magari blu

*Como chegar

É possível chegar até o Lebombo por terra ou via aérea. Nós fomos em um voo operado pela companhia Federal Air, o que foi perfeito. Na chegada em Johannesburgo, um funcionário da companhia nos aguardava no desembarque e nos encaminhou até o lounge, que fica no aeroporto, mas em uma outra área fora das pistas dos voos de carreira.

O lounge da Federal Air no aeroporto de JohannesburgoFoto: magari blu

O lounge da Federal Air no aeroporto de Johannesburgo
Foto: magari blu

Lá é possível deixar a bagagem mais pesada se necessário (como mencionado acima). Fretamentos aéreos particulares estão disponíveis e devem ser solicitados com antecedência.

A pista de pouso do lodgeFoto: magari blu

A pista de pouso do lodge
Foto: magari blu

Os aviões são pequenos e carregam em média 12 pessoas. Às vezes fazem escalas em outros lodges para deixar e buscar hóspedes e todos os voos que fizemos foram bem tranquilos.

Snacks de boas-vindasFoto: magari blu

Snacks de boas-vindas no Lebombo
Foto: magari blu

Por terra fica mais puxado: são aproximadamente 8 horas dirigindo de Johannesburgo ao Singita Lebombo (600 km).

O Singita é um daqueles lugares que nos deixam embasbacados com a beleza natural, tudo isso acompanhado de serviço impecável e bastante conforto. Ansiosa para voltar!

Testado e super aprovado pelo Magari blu!

Onde encontrar:
singita.com

Ana Maria Junqueira está sempre viajando pelo mundo. É editora do Magari blu, consultora em viagens e a embaixadora de viagens da Perrier no Brasil.