Buenos Aires: em que bairro ficar?

Dicas de Buenos Aires por Maria Marques

Uma das perguntas que mais escuto dos amigos que vem a Buenos Aires é “onde é melhor se hospedar?”.

A resposta depende de um sem fim de variáveis, como idade do visitante, objetivo da viagem, tempo na cidade e quantas vezes já visitou Buenos Aires. Mas uma coisa é certa: Buenos é uma cidade muito acessível, plana e com uma boa rede de transportes, ou seja, em qualquer lugar que você ficar dá pra conhecê-la e aproveitá-la bastante.

Recoleta Foto: Reprodução

Recoleta
Foto: Reprodução

Claro que os gostos pessoais influenciam a decisão de onde ficar. Eu, por exemplo, quando viajo, gosto de ficar em bairros onde possa fazer a maioria das coisas a pé. Se você é desse time, eu recomendo a Recoleta.

A Recoleta é o bairro mais europeu de Buenos Aires, com prédios lindos e antigos, pracinhas e cafés. É uma delícia para “flanar” como dizem por aqui. A localização é excelente, entre o centro e Palermo. Se fosse a minha primeira vez em Buenos Aires, eu ficaria na Recoleta, especialmente na zona perto da Plaza Francia.

Mas, verdade seja dita: é um bairro mais caro porque é bastante turístico. E se você é jovem e quer agito, lá definitivamente não é o lugar. Os restaurantes são lotados de “senhoras” da Recoleta com seus casacos de pele.

Palermo Foto: Reprodução

Palermo
Foto: Reprodução

Para os mais iniciados, eu recomendo Palermo.

Palermo é o bairro descolado por natureza. É gigante, e as zonas que me parecem mais bacanas são as chamadas Palermo Chico e Palermo Soho.

Palermo Chico fica próximo à Avenida Libertador, perto dos famosos bosques de Palermo e do zoológico. É uma área bem verde, ampla, com novos e bons restaurantes, sorveterias e cafés. É meu bairro dos sonhos para viver.

Já Palermo Soho é o bairro trendy, jovem, com mil lojinhas e restaurantes. Recomendo se perder pelas ruas planas de paralelepípedos, entrar nas vielinhas e curtir os grafites pelos muros.

Centro Foto: Reprodução

Centro
Foto: Reprodução

Uma terceira opção, menos glamourosa que Recoleta e Palermo, porém mais econômica, é o Centro da cidade.

É um alternativa se você estiver a fim de fazer o turismo básico, Casa Rosada, Plaza de Mayo, Catedral. Fuja da parte conhecida como “microcentro”, onde está a maioria dos escritórios, lotada de gente andando rápido durante a semana e completamente morta durante os fins de semana. As ruas do centro são mais sujas e um pouco mais inseguras, então fique esperto com bolsas e carteiras.

Puerto Madero Foto: Reprodução

Puerto Madero
Foto: Reprodução

Por fim, dois bairros que super valem a visita, mas onde eu não ficaria hospedada, são San Telmo e Puerto Madero. Costumo dizer que são “bairros-ilhas”, porque são meio fora de mão para o resto da cidade.

San Telmo é histórico, uma viagem no tempo, mas também mais descuidado. A noite por lá em bem agitada, com vários pubs e cervejarias artesanais. Eu ficaria hospedada em outro bairro e iria para San Telmo alguma noite para curtir, ou um domingo à tarde para visitar a ferinha de antiguidades.

Já Puerto Madero é a antítese de San Telmo, apesar de ficar bem próximo dele. É a Miami de Buenos Aires, lindo, mas meio artificial e diferente do restante da cidade. Os poucos arranha-céus de Buenos Aires, altos e modernos, estão por lá. É um programão passear pelas margens do rio e depois sentar-se para comer em algum restaurante, mas atenção: os restaurantes em Puerto Madero são em geral bem caros e a comida nem é tão espetacular assim, portanto saiba que você vai pagar mais que nada pelo ambiente.

Maria é advogada com “lado B”. Adora uma novidade, descobrir lugares, passeios, músicas, comidas e o que mais tiver de legal por aí. Vive em Buenos Aires, cidade pela qual é apaixonada, e no Magari blu traz dicas para aproveitá-la como ninguém.