Novidades por e-mail
Menu Categorias
2

Ilha de Páscoa: as belezas e os mistérios de Rapa Nui

Destinos

26 dez 2014 Publicado por

A Ilha de Páscoa foi uma agradável surpresa! Imensos Moais espalhados por todo seu território, mar cristalino com diversos tons de azul, cavernas, vulcões e suas crateras fazem da ilha belíssima, mística, histórica e com uma energia especial.

A linda Ilha de Páscoa Foto: magari blu

A linda Ilha de Páscoa
Foto: magari blu

O que mais impressiona é que ela é a porção de terra mais distante do continente. Ou seja, não existe nenhuma ilha mais isolada que a Ilha de Páscoa em todo o planeta! Território chileno, está ao sul do Oceano Pacífico a 3.700 km de Santiago.

A ilha é abastecida por gerador e voos frequentes trazem alimentos e produtos industrializados do Chile aos 6.000 habitantes.

Os 15 Moais na Ilha de Páscoa Foto: magari blu

A plataforma dos 15 Moais na Ilha de Páscoa
Foto: magari blu

O nome foi dado em razão do explorador holandês Jacob Roggeveen, que chegou à ilha em um domingo de Páscoa, mais precisamente em 5 de abril de 1722.

Rapa Nui é o nome local da ilha e como é chamado o povo nativo e sua língua. Hanga Roa é a vila, que nem poderia ser considerada uma cidade, de tão pequenina que é.

*Onde ficar?

Para me aventurar na Ilha de Páscoa, escolhi o hotel explora Rapa Nui – a melhor opção na ilha. Os hotéis explora estão em destinos chilenos que despertam o interesse pela exploração, como sugere o próprio nome: Atacama, Patagônia e, claro, Ilha de Páscoa.

Chegada ao explora rapa Nui Foto: magari blu

Chegada ao explora Rapa Nui
Foto: magari blu

O hotel explora Foto: magari blu

O hotel explora
Foto: magari blu

São 30 quartos com vista para o campo com o mar ao fundo. O quarto é bem charmoso, construído com madeira, pedra, vidro. A gente se sente totalmente integrado ao meio-ambiente.

Varúa room
Foto: Divulgação

A ideia é se desconectar. Sem wi fi e TV no quarto, somente nas áreas comuns do hotel. O explora tem também piscina, jacuzzi e sauna.

Lounge do explora Foto: magari blu

Lounge do explora
Foto: magari blu

A piscina do hotel Foto: magari blu

A piscina do hotel
Foto: magari blu

Jacuzzi - a "oca" ao fundo é uma sauna Foto: magari blu

Jacuzzi e  a “oca” ao fundo, que é a sauna
Foto: magari blu

Oferece esquema tudo incluído, de modo que as tarifas englobam as deliciosas refeições, inclusive lanchinhos no happy hour, bebidas, vinhos e os maravilhosos passeios com guia.

Restaurante do hotel Foto: magari blu

Restaurante do hotel
Foto: magari blu

O menu varia a cada dia, sempre com opções de saladas, pratos principais e sobremesas. Fiz todas as refeições no hotel pois, sem dúvida, não há restaurante melhor por lá.

Ceviche no almoçco Foto: magari blu

Ceviche no almoço
Foto: magari blu

Risotto de cogumelos e parmesão Foto: magari blu

Risotto de cogumelos e parmesão
Foto: magari blu

Panqueca de doce de leite Foto: magari blu

Panqueca de doce de leite
Foto: magari blu

Onde encontrar:
www.explora.com/explora-rapa-nui

*O que fazer?

Os passeios são o ponto alto da experiência que o explora proporciona. São 20 tipos diferentes de exploração, todos tours com guias locais, que podem ser feitos a pé, de bicicleta, ou ainda incluindo pesca, snorkeling e mergulho.

Os grupos são de no máximo 8 pessoas – e em alguns deles estávamos só nós. O nível de dificuldade altera entre os passeios e têm duração de meio dia ou dia inteiro.

Ponto de encontro para falar sobre os passeios Foto: magari blu

Ponto de encontro para falar sobre os passeios
Foto: magari blu

Todos os dias, os hóspedes se reúnem com os guias para montar a programação do dia seguinte. O cronograma é bem flexível e você escolhe os passeios que tem mais interesse, a partir das explicações da staff.

Pausa para encher a garrafinha d'água no explora Foto: magari blu

Pausa para encher a garrafinha d’água no explora
Foto: magari blu

Mahatua Ovahe (15 Moais)

É a visita até a enorme plataforma com os 15 Moais, imagem muito conhecida da Ilha de Páscoa.

Os 15 Moais Foto: magari blu

Os 15 Moais
Foto: magari blu

Cada Moai representava um clã e ficava posicionado de frente para ele. Abaixo de cada figura, eram enterrados os ossos do chefe do respectivo clã. O povo Rapa Nui acreditava que, a partir dessa gigante imagem, a comunidade continuava sendo protegida por ele. Quando surgiram conflitos entre os clãs, as estátuas dos oponentes eram derrubadas. E, como sinal de paz, construíram uma plataforma ao nordeste da ilha, onde alocaram os 15 Moais, unidos lado a lado.

Plataforma dos 15 Moai Foto: magari blu

Plataforma dos 15 Moais
Foto: magari blu

De lá, o passeio pode continuar com uma caminhada pelas margens da costa norte da ilha, que tem um visual lindo.

Caminho pela costa norte da ilha Foto: magari blu

Caminhada pela costa norte da ilha
Foto: magari blu

Caminhada pela costa norte da ilha Foto: magari blu

Caminhada pela costa norte da ilha
Foto: magari blu

Caminhada pela costa norte da ilha Foto: magari blu

Caminhada pela costa norte da ilha
Foto: magari blu

Caminhada pela costa norte da ilha Foto: magari blu

Caminhada pela costa norte da ilha
Foto: magari blu

Alguns Moai não foram restaurados e permanecem tombados Foto: magari blu

Alguns Moais não foram restaurados e permanecem tombados pelo tempo
Foto: magari blu

Caminhada pela costa norte da ilha Foto: magari blu

Poucos animais habitam a ilha, entre eles, cavalos particulares dos Rapa Nui
Foto: magari blu

Durante a caminhada, não deixe de dedicar alguns minutos para a pedra magnética Ahu Te Pito Kura. Ela tem uma composição diversa das demais pedras vulcânicas da ilha, e quando colocamos uma bússola sobre a pedra, a bússola fica doidinha, pois é magnética. Dizem que encontraram uma outra pedra com a mesma composição no mar à frente e o mistério é que ninguém sabe como elas foram parar lá…! Há uma energia diferente nela.

 Foto: magari blu

Ahu Te Pito Kura: a misteriosa pedra magnética
Foto: magari blu

O passeio leva de 3 horas e meia a 4 horas, sendo que a caminhada dura de 3 horas a 3 horas e meia (6 km).

Ara O Te Moai (a pedreira dos Moais)

A pedreira é o local onde os Rapa Nui esculpiam os Moais nas pedras vulcânicas. Diversas estátuas ainda estão lá, algumas ainda incrustadas nas pedras. Outro mistério é como eram transportados pela ilha. Diz a lenda Rapa Nui que eles andavam!

 Foto: magari blu

Moais na pedreira
Foto: magari blu

Moai na pedreira Foto: magari blu

Moais na pedreira
Foto: magari blu

Moai na pedreira Foto: magari blu

Moai na pedreira
Foto: magari blu

Moai na pedreira Foto: magari blu

Moais na pedreira
Foto: magari blu

Perfil de um moai incrustado na pedra Foto: magari blu

Perfil de um Moai incrustado na pedra
Foto: magari blu

Moai recortado na pedra Foto: magari blu

Moai deitado recortado na pedra
Foto: magari blu

Moai na pedreira Foto: magari blu

Moais na pedreira
Foto: magari blu

Este é o único Moai que tem pernas e está ajoelhado Foto: magari blu

Este é o único Moai que tem pernas e está ajoelhado
Foto: magari blu

Proibido subir no Moai!  Foto: magari blu

Proibido subir no Moai!
Foto: magari blu

Montanha acima, a 65 metros, está a cratera do vulcão, onde formou-se um lindo lago de água doce. Vale a pena ir até lá e contemplar o visual.

A cratera e o lago Foto: magari blu

A cratera e o lago
Foto: magari blu

O passeio dura de 3 horas a 3 horas e meia, sendo que a caminhada leva de 2 horas e meia a 3 horas.

Akivi Tahai (passeio dos 7 Moais)

A plataforma onde estão os 7 Moais é uma homenagem a 7 exploradores que chegaram à ilha. Por esta razão, são os únicos Moais que estão contemplando o mar, já que todos os outros estão voltados ao interior da ilha.

 Foto: magari blu

Os 7 Moais
Foto: magari blu

Os 7 Moai de frente para o mar Foto: magari blu

Os 7 Moais de frente para o mar
Foto: magari blu

Esse passeio pode ser combinado com uma visita às cavernas ou ao povoado de Hanga Roa e leva de 3 a 4 horas.

Cavernas

A Ilha de Páscoa está repleta de cavernas, muitas delas interligadas entre si formando um verdadeiro labirinto. Serviam de moradia para famílias, que ali se protegiam das condições climáticas e, sobretudo, de outros Rapa Nui.

Elas são profundas e escuras e lanternas são essenciais para explorá-las. Cuidado com a cabeça pois alguns trechos são bem baixos, inclusive as entradas, e as pedras cortantes.

Caverna na Ilha de Páscoa Foto: magari blu

Caverna na Ilha de Páscoa
Foto: magari blu

Dentro da caverna Foto: magari blu

Dentro da caverna
Foto: magari blu

Uma das cavernas mais especiais é a das 2 ventanas, ou janelas, com vistas de tirar o fôlego ] Foto: magari blu

Uma das cavernas mais especiais é a das 2 ventanas, ou “janelas”, com vistas de tirar o fôlego
Foto: magari blu

O passeio dura de 2 horas e meia a 3 horas caminhando, num percurso a pé de 6,5 km, e passa por penhascos banhados pelo Oceano Pacífico.

A caminhada pelo oeste da ilha Foto: magari blu

A caminhada pelo oeste da ilha
Foto: magari blu

A caminhada pelo oeste da ilha Foto: magari blu

A caminhada pelo oeste da ilha
Foto: magari blu

Em alguns pontos, o mar é cristalino  Foto: magari blu

Em alguns pontos, o mar é cristalino
Foto: magari blu

Cratera do homem pássaro

Uma das mais significativas histórias da Ilha de Páscoa é a competição do homem pássaro, que acontecia a partir de Orongo. Do alto dessa cratera, no momento em que um determinado pássaro botava o ovo sobre a rochedo no mar, era dada a largada.

Os competidores desciam correndo e descalços (!) 250 metros de rocha até o mar, nadavam até a rocha para resgatar o ovo, e retornavam pelo mar e montanha acima com o ovo. Cada um deles representava um homem de poder e o vitorioso conferia a seu chefe o título de rei.

Até ali que nadavam os competidores a homem pássaro Foto: magari blu

Montanha abaixo e até os rochedos nadavam os competidores a homem pássaro
Foto: magari blu

A história é verdadeira e a competição aconteceu até meados do século 19. Os candidatos passavam meses treinando, morando em casinhas de pedra na área, e muitos sequer sobreviviam à prova.

As casinhas de pedra onde os competidores moravam durante os meses de treino Foto: magari blu

As casinhas de pedra onde os competidores moravam durante os meses de treino
Foto: magari blu

Ali em Orongo está a cratera do vulcão, uma das paisagens mais belas que tive a oportunidade de ver de perto na Ilha de Páscoa. Não dá vontade de ir embora e parar de contemplar essa formação geológica.

A cratera em Orongo Foto: magari blu

A belíssima cratera em Orongo
Foto: magari blu

O passeio por Orongo somente é rápido. Leva-se de 30 a 40 minutos para conhecer o local.

Ahu Tahai (Moai com olhos)

Antigamente os Moais tinham olhos pintados e cabelos, que mais pareciam um chapéu. Poucos ainda conservam os cabelos, que têm uma coloração diferente propositadamente – os patriarcas os tingiam com terra em tom avermelhado, o que era sinal de status. E apenas um deles foi restaurado com os olhos pintados:

Moai com olhos e cabelo Foto: magari blu

Moai com olhos e cabelos
Foto: magari blu

Vale a pena para ver como eram originalmente os Moais.

Praia de Anakena

É um dos poucos locais onde é possível banhar-se no Pacífico, com areia fininha e branca. Ali era onde morava o rei Rapa Nui.

Praia de Anakena Foto: magari blu

Praia de Anakena
Foto: magari blu

Os Moai em Anakena Foto: magari blu

Os Moais em Anakena
Foto: magari blu

Snorkeling e mergulho

É possível fazer snorkeling e mergulho na Ilha de Páscoa. As águas de Rapa Nui são conhecidas por serem uma das mais cristalinas do planeta.

Entretanto, o que mais me chamou a atenção foi a cor da água – não é azul marinho, nem azul turquesa, nem esverdeada. Tem um tom particular, um azul royal que fica lindo com os raios de sol refletidos.

Durante o trajeto, pausa para avistar cavernas no mar Foto: magari blu

Durante o trajeto, pausa para avistar cavernas no mar
Foto: magari blu

Navegamos em uma canoa tradicional até os rochedos que ficam adiante de Orongo (onde acontecia a competição do homem pássaro mencionada acima). Não tive a sorte de ver muitos peixes, mas avistei corais e foi interessante mergulhar nessa água de cor tão especial.

A cor da água é especial! Foto: magari blu

A cor da água é azul royal!
Foto: magari blu

O explora fornece o equipamento necessário e um guia. A temperatura da água varia entre 20°C e 25°C.

*O que levar?

Boné ou chapéu, roupa em camadas (para proteger de eventual friozinho e aguentar o calor), calças e shorts confortáveis para fazer trekking, tênis, roupa de banho, mochila e protetor solar. O explora fornece bastões para trekking (em algumas caminhadas com muitas pedras pelo caminho, eles ajudam bastante), bicicletas, toalhas (em caso de snorkeling e mergulho) e garrafinhas para carregar água nos passeios.

Roupas leves e tênis não podem faltar na mala! Os bastões oferecidos pelo hotel auxiliam nas caminhadas Foto: magari blu

Roupas leves e tênis não podem faltar na mala!
Os bastões oferecidos pelo hotel auxiliam nas caminhadas
Foto: magari blu

*Como chegar?

Existem voos diários de Santiago. São cerca de 5 horas de voo a partir da capital chilena. Como é ponto de conexão para o Tahiti, atentar-se para a compra de passagens com antecedência, pois a disponibilidade pode ficar reduzida em dias de voo para a Polinésia Francesa.

O aeroporto de Rapa Nui Foto: magari blu

O aeroporto de Rapa Nui
Foto: magari blu

*Quanto tempo ficar?

A recomendação do hotel é no mínimo 3 noites e no máximo, 5. Ficamos 3 noites e foi um tempo legal para conhecer bastante da ilha.

Encantada com a Ilha de Páscoa! Foto: magari blu

Encantada com a Ilha de Páscoa!
Foto: magari blu

*Quando ir?

A vantagem da Ilha de Páscoa é que não tem estação ruim para visita. Você pode programar a viagem em qualquer época do ano.

Aperte o play para assistir ao vídeo produzido pelo hotel explora Rapa Nui e entender mais da essência desse lugar mágico!

Testado e aprovado pelo Magari blu!

Ana Maria Junqueira está sempre viajando pelo mundo. É editora do Magari blu, consultora em viagens e a embaixadora de viagens da Perrier no Brasil.

Comentários

  1. Essa semana fez 2 anos que estive na mágica Ilha de Páscoa! Até hj nem acredito que realizei um dos meus sonhos de infância – ver muitos moais ao vivo! Acho que as dicas práticas mais importantes é levar protetor solar (o sol lá queima muito mais do que no Brasil) e meias velhas (o tipo de terra deixa as meias completamente encardidas e joguei as minhas direto no lixo!). Tenho mais de 10 posts sobre a ilha no meu blog, inclusive com dicas de restaurantes em Hanga Roa: http://taindopraonde.blogspot.com.br/2013/08/post-indice-ilha-de-pascoa.html

    • Obrigada pelas dicas! 😉 A Ilha de Páscoa é muito especial!

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.